Venda de bacalhau deve crescer 5% na Páscoa

SÃO PAULO, 23 de março de 2009 - A Associação Paulista de Supermercados (Apas) calcula um aumento de 5% nas vendas de bacalhau na Páscoa em relação ao mesmo período de 2008. Os principais motivos para a projeção otimista da entidade são a proximidade da data de recebimento do salário, no início de abril, e a tendência de uma temperatura mais amena do que a registrada no ano passado, quando a data foi celebrada vinte dias antes.

´No começo do mês, as pessoas estão com mais dinheiro no bolso e, no clima mais frio, compram maior quantidade de alimentos. Além disso, os consumidores das classes C e D, de renda mais baixa, ascenderam socialmente, ganharam poder aquisitivo, passaram a adquirir itens em maior escala e hoje ajudam a sustentar também as vendas de bacalhau´, afirma Martinho Paiva Moreira, vice-presidente de Comunicação da Apas.

O produto, porém, está mais caro do que no ano passado. Segundo a associação, devido à influência do câmbio e à conseqüente redução dos estoques, o aumento do preço do bacalhau deve variar entre 5% e 18%, de acordo com o tipo do peixe.

´Mesmo presente no ponto-de-venda o ano todo, é na Páscoa que o bacalhau se consagra´, explica Moreira. ´Apesar da crise econômica internacional, esperamos um consumo acima do observado em 2008, porque comer bacalhau na Páscoa faz parte da tradição do brasileiro e é sua opção preferida para substituir a carne.´

Para Moreira, as vendas de batata, ovo, azeitona, leite de côco e azeite-de-dendê devem acompanhar a alta da procura por bacalhau. ´Como o bom desempenho do bacalhau estimula as vendas de outros produtos utilizados na composição do prato, também acreditamos em um incremento do comércio desse pacote de itens durante a Quaresma´, acrescenta.

O Brasil é o segundo maior importador de bacalhau do mundo, atrás apenas de Portugal. Os mercados que mais exportam o produto - na versão desfiada - para o País são Noruega, Portugal, Canadá e China.

Em razão do preço mais baixo, o tipo de bacalhau mais consumido no Brasil é o Saithe. Peixe mais escuro e de sabor mais forte, o tradicional campeão de vendas custa, em média, R$ 19,90 o quilo. Já o bacalhau do Porto, o mais caro, pode ser encontrado pelo valor de R$ 49,00 até R$ 79,00. De acordo com a entidade, para quem quer economizar ou variar o cardápio, a principal alternativa é a merluza, importada da Argentina a preços até 50% inferiores ao do bacalhau.

(Redação - InvestNews)