Plano nos EUA contra ativos tóxicos anima Ásia

SÃO PAULO, 23 de março de 2009 - A expectativa de que o secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner, apresentará hoje um plano de estímulo de US$ 500 bilhões para limpar os ativos podres de bancos impulsionou a alta nesta segunda-feira nas bolsas da Ásia.

Os investidores também repercutiram a notícia de que o governo do Japão poderá lançar nos próximos dias um plano de "aproximadamente US$ 210 bilhões" para evitar uma contração ainda mais intensa na economia local, segundo declarou o ministro das Finanças, Kaoru Yosano.

O índice MSCI Ásia-Pacífico, que reúne os principais mercados da região com exceção do Japão, subiu 4% durante a madrugada, registrando seu maior nível em dois meses. O destaque nas sessões ficou para os setores de energia, financeiro e de matérias-primas.

Entre os principais mercados, o Nikkei 225 de Tóquio subiu 3,39%, para 8.215,53 pontos, atingindo seu patamar mais alto desde o final de janeiro, beneficiado também pela valorização do dólar e do euro frente ao iene.

No mercado de divisas de Tóquio, a moeda norte-americana terminou o dia cotada a 95,68 ienes, contra 95,56 ienes da última sessão. Já o euro fechou negociado a 131,42 ienes, frente a 128,78 ienes do pregão anterior.

O destaque na sessão nipônica ficou para as ações do setor bancário. Os papéis do Mitsubishi UFJ Financial, maior banco do Japão, subiram 4,70%, mesmo apesar da notícia de que a instituição financeira pretende fechar 50 filiais e extinguir mil postos na tentativa de reduzir custos operacionais e de recuperar a lucratividade. Na mesma tendência, os títulos do Mizuho Financial e Sumitomo Mitsui Financial avançaram 5,26% e 7,34%, respectivamente.

Na Coreia do Sul, o índice Kospi de Seul cresceu 2,43%, para 1.199,50 pontos. Em Hong Kong, o referencial Hang Seng ganhou 4,78%, para 13.447,42 pontos. Já na China, o Xangai Composto apresentou alta de 1,95%, para 2.325,48 pontos. Os mercados na Indonésia, Taiwan, Tailândia, Cingapura, Malásia e Filipinas também fecharam no azul.

Na Austrália, o índice All Ordinaries de Sydney registrou ganho de 2,29%, para 3.483,10 pontos. O destaque na sessão foi para as ações da mineradora OZ Minerals, que foram suspensas após a companhia informar que seria anunciada hoje a aprovação de sua compra pela estatal chinesa Minmetals, em uma operação avaliada em US$ 1,7 bilhão. Após o fechamento do pregão, o Conselho de Revisão do Investimento Estrangeiro da Austrália estendeu a decisão para junho.

Ainda em Sydney, a imprensa local informou que a Qantas, maior companhia aérea da Austrália, está planejando um corte de 100 postos de executivos sêniores na tentativa de reduzir custos. Os títulos da empresa terminaram o dia com ganho de 1,47%.

(Marcel Salim - InvestNews)