Europa: ações avançam à espera de detalhes de plano dos EUA

REUTERS

LONDRES - As bolsas de valores da Europa avançavam pela terceira sessão consecutiva nesta segunda-feira, motivadas pelas ações do setor financeiro, com investidores atentos ao plano do Tesouro dos Estados Unidos de compra de ativos podres dos bancos.

Às 8h30 (horário de Brasília), o índice Eurofirst 300, referência das principais bolsas européias, subia 1,67%, para 729 pontos. Entretanto, o indicador ainda acumula perdas de quase 12% até agora neste ano.

- Investidores estão esperando detalhes do plano do departamento do Tesouro para os ativos probleméticos nos bancos americanos. Também há rumores sobre um pacote de estímulo ainda maior no Japão e na China há conversas de que as autoridades querem promover a consolidação dos setores automotivo e siderúrgico, que podem ser vistos como positivo para lucratividade- disse Bernard McAlinden, estrategista de mercado da NCB Stockbrokers.

As ações do setor bancário registravam valorização. Barclays disparava 9,7% após os grupos Hellman & Friedman, Bain Capital e TPG terem mostrado interesse em comprar os negócios da iShares. Credit Suisse, Société Générale, Banco Santander, BNP Paribas e UniCredit avançavam entre 2,4% e 8%.

Segundo uma autoridade de Washington, o governo colocará entre US$ 75 bilhões e US$ 100 billhões do fundo de resgate para comprar ativos podres dos bancos em parceria com investidores privados, na tentativa de descongelar os mercados de crédito e reativar a economia abatida pela recessão.

- Investidores estão lentamente começando a acreditar que os diversos planos do governo funcionarão. Os mercados ficaram em baixa por muito tempo e agora estão se ajustando... particularmente no setor financeiro. Há um pouco de confiança lá fora nesta manhã- afirmou Howard Wheeldon, estrategista da BGC Partners.

As ações do setor de energia também disparavam, conforme o petróleo subia 0,3%. BG Group, BP, Royal Dutch Shell e Total avançavam entre 0,8% e 2,3%. Os papéis do setor de mineração também registravam valorização, com o cobre ganhando 2,6%. A Rio Tinto saltava 7,4%, enquanto a Xstrata subia 2,2%.

Poucos segmentos permaneciam no vermelho, entre eles, o farmacêutico. Novartis, Sanofi Aventis e AstraZeneca perdiam entre 0,2 e 0,5%.