Revisão de despesas e corte de custos surpreendem

SÃO PAULO, 18 de março de 2009 - A queda de 6,6% na receita da BM&FBovespa no quarto trimestre de 2008 - tanto no segmento Bovespa quanto na BM&F - em relação ao trimestre anterior, e a sinergia em relação às despesas, vieram em linha com o que esperava o mercado. Entretanto, a maior redução dos custos e a revisão do guidance de despesas para 2009 de R$ 450 milhões surpreenderam positivamente. A afirmação é de Jayme Alves, analista da Spinelli Corretora.

Segundo o especialista, o anúncio de redução no quarto trimestre (em relação ao mesmo período de 2007) de 9% nos custos com pessoal, 32,2% com marketing, 13,9% com processamento de dados e de 32,2% em promoção e divulgação, foi muito positivo.

"A revisão e o anúncio de novos ajustes, como a adequação do quadro de pessoal, venda de imóveis e reestruturação podem até fazer com que a empresa mantenha ou até expanda os resultados este ano", acredita Alves.

A BM&FBovespa anunciou lucro líquido pro forma de R$ 202,4 milhões (R$ 0,10 por ação) no quarto trimestre de 2008. No ano, o lucro líquido foi de R$ 909,6 milhões.

Outros pontos positivos apontados pelo analista da Spinelli sobre o balanço de 2008 da BM&FBovespa foram a nova política de preços que será implementada em abril deste ano, com o objetivo de rebalancear as fontes de receita, reduzir subsídios cruzados e estimular liquidez para todas as classes de participantes, e o esforço da companhia em aumentar cada vez mais a participação do investidor de varejo. "O mercado brasileiro ainda tem grande potencial no varejo. É uma atitude positiva, pois o investidor estrangeiro gera grande volatilidade no mercado", afirma.

O investimento de cerca de R$ 116 milhões em novas plataformas, para negociação de Certificado de Depósito Bancário (CDB) e mercado de balcão, o que deve trazer mais volume de operações para o ambiente da bolsa, mesmo em um cenário adverso, também é visto com com bons olhos pelo analista. "Não é um investimento muito agressivo, na medida em que traga maior eficiência", afirmou.

Para este ano, a Spinelli mantém Recomendação de Compra das ações da BM&FBovespa ao preço justo de R$ 10. Segundo Alves, a expectativa para o volume médio de R$ 5,5 bilhões, apresentado em 2008, só deverá voltar em 2012.

(Priscila Dadona - InvestNews)