Lula visita terminal de gás na Baía de Guanabara

SÃO PAULO, 18 de março de 2009 - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva conhece hoje, no Rio de Janeiro, o terminal de regaseificação de gás natural liquefeito (GNL) da Baía de Guanabara. Juntamente com o terminal de Pecém (CE), a obra colocará à disposição do mercado cerca de 21 milhões de metros cúbicos diários de gás natural - o equivalente a dois terços de todo o produto importado atualmente da Bolívia - cerca de 30 milhões de metros cúbicos por dia.

Nos planos da Petrobras, o GNL deverá ser utilizado, quando necessário, nas usinas termelétricas do país em caso de escassez de água para suprir a demanda energética. Para a diretora de Gás e Energia da Petrobras, Maria das Graças Foster, a planta de GNL da Baía de Guanabara desafoga e diversifica a capacidade da empresa de atender à demanda interna.

"Porque ela dá um lastro muito grande à nossa necessidade e demanda pelo gás natural. Nós temos um suprimento constante da Bolívia, mas é muito conveniente que o Brasil disponha de outra fonte, além do insumo que vem da Bolívia e do próprio gás nacional. Isso significa mais 21 milhões de metros cúbicos/dia de segurança energética", disse.

O primeiro terminal de GNL disponibilizado pela Petrobras, já em operação comercial, foi instalado no Porto de Pecém (CE). Os dois terminais - cujas obras fazem parte do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) - marcam a entrada da empresa no mercado internacional desse gás, garantindo ao Brasil novas fontes de suprimento.

As obras de construção e montagem do terminal na Baía de Guanabara foram iniciadas em dezembro de 2007 e concluídas em janeiro de 2009. Atualmente, o empreendimento está na fase de pré-operação, devendo estar comissionado (pronto para operar) ainda neste primeiro semestre. O investimento foi de R$ R$ 819 milhões, com a geração de cerca de 1.700 empregos diretos.

As informações são da Agência Brasil.

(Redação - InvestNews)