Lula: no gás, país não quer depender do "bom humor" de ninguém

REUTERS

RIO DE JANEIRO - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quarta-feira que a inauguração do Terminal de Gás Natural Liquefeito (GNL) da Petrobras na baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, é mais um passo para a independência do país em relação à Bolívia.

- Não vamos depender do bom humor de ninguém, vamos nos virar - disse Lula ao lembrar que os projetos de GNL da Petrobras foram concebidos após uma crise energética entre Brasil e Bolívia.

A Bolívia é responsável pela metade do abastecimento de gás natural do Brasil, ou cerca de 30 milhões de metros cúbicos diários.

Lula ressaltou, em visita ao terminal de GNL, que a unidade representa, junto com outras unidades do segmento de gás da Petrobras, uma independência do Brasil no mercado de gás natural.

No ano passado, o presidente inaugurou o terminal de GNL de Pecém, no Ceará, com capacidade para 7 milhões de metros cúbicos diários de gás natural e mais um terminal ficará pronto entre 2012 e 2013.

A empresa acelera também seus projetos para produção de gás em território brasileiro e conta com os gigantescos volumes encontrados na região pré-sal da bacia de Santos, que poderá ser transformado em GNL.

O terminal fluminense terá capacidade para processar 14 milhões de metros cúbicos diários de gás, capaz de gerar 3 mil megawatts ou 10 por cento do consumo da região Sudeste.

Lula descartou no entanto a quebra de contrato com a Bolívia, assinado em 1999 com prazo de 20 anos.

- Vamos continuar comprando gás da Bolívia sempre, temos contrato até 2019, mas é importante que o mundo saiba que a gente vai ter gás - disse o presidente durante a visita ao terminal.