'Forbes': confira as bilionárias mais admiradas do mundo

Portal Terra

SÃO PAULO - Entre as 73 bilionárias que entraram na lista da revista Forbes neste ano, sete mereceram destaque da publicação por suas trajetórias de sucesso e ações sociais, enquanto outras apareceram no noticiário depois de escândalos amorosos e brigas familiares.

A mais conhecida das bilionárias admiráveis da Forbes é a apresentadora de televisão americana Oprah Winfrey, que por vezes causa polêmica com sua luta contra a balança, mas tem influência considerável sobre os cidadãos americanos.

Segundo estudo da Universidade de Maryland, a dona de US$ 2,7 bilhões foi responsável por angariar cerca de um milhão de votos em sua campanha para eleger o atual presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. Além disso, seus projetos filantrópicos já construíram 55 escolas em 12 países.

Com fortuna estimada em US$ 1,1 bilhão, a empresária Margaret Whitman, que liderou o eBay durante anos, também teve papel influente na última eleição americana ao participar da campanha do senador John McCain. Mesmo após a derrota do seu candidato, Whitman já lançou seu comitê para concorrer ao cargo de governadora da Califórnia em 2010.

Entre as bilionárias mais admiradas não poderia faltar a escritora J.K Rowling. Depois de vender cerca de 400 milhões de livros da série Harry Potter, Rowling levantou no ano pasado US$ 6,5 milhões para caridade com seu novo livro, além de depor contra um editor que queria publicar uma enciclopédia sobre seu personagem mais famoso.

A mulher mais rica de Israel também é uma das mais admiradas pela Forbes. Com fortuna que soma US$ 2,7 bilhões, Shari Arison dirige o maior banco do país, o Hapoalim. No último ano, ela fundou uma empresa determinada a preservar água consertando vazamentos de canos e anunciou planos de construir uma estação de energia solar no deserto do Negev.

A chinesa Zhang Xin e o marido, Pan Shiyi, são os responsáveis por redefinir o desenho dos céus de Pequim com arranha-céus construídos pela Soho China, que geraram riquezas em torno de US$ 1,6 bilhão a ela. Sua fundação beneficente concentra atividades em educação.

Com fortuna avaliada em US$ 1,5 bilhão, Chu Lam Yiu, de Hong Kong, foi uma das poucas pessoas da lista da Forbes que viu sua riqueza aumentar em 2008. Há cerca de dez anos, ela fundou a Huabao International, empresa que produz fragrância e aromatizantes para cigarros, detergentes, bebidas e cosméticos.

A espanhola Rosalia Mera, que ajudou o ex-marido Amancio Ortega a iniciar uma confecção de roupas e lingeries em casa, a Inditex (dona da Zara), ganhou a atenção da revista por fundar uma entidade que cuida de deficientes físicos e mentais, além de investir em um instituto de biotecnologia que busca remédios contra o câncer no fundo do mar.

Segunda mulher do editor Water Annenberg, Leonore Annenberg herdou metade da fortuna de US$ 4 bilhões do ex-marido, mas ficou conhecida por suas doações. Curadora do Metropolitan Museum of Art, Leonore foi chefe de cerimônias de Ronald Reagan e fez doações ao Eisenhower Medical Center em 2007 e ao museu do Jornalismo em Washington.

Uma das irmãs que criou o Benetton Group, em 1965, Giuliana Benetton já garantiu cerca de US$ 1,5 bilhão com as vendas das marcas United Colors of Benetton, Sisley, Playlife e Killer Loop, que podem ser encontradas em aproximadamente cinco mil lojas de 120 países. Ela começou os negócios tricotando suéteres.

Com fortuna estimada de US$ 1 bilhão, a turca Filiz Sahenk encerra a lista das sete bilionárias mais admiradas pela Forbes. Ela herdou grande parte da riqueza do pai, Ayhan, e construiu relações com marcas de luxo como Tod e Armani, além de defender os direitos femininos na Turquia. Também preside a fundação de caridade da família.