Compasso de espera por decisão do Fed

SÃO PAULO, 18 de março de 2009 - Os investidores operam em clima de expectativa nesta quarta-feira, pela conclusão da reunião de dois dias do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano). Esgotado o canal do juro, já que a taxa do Fed Funds está fixada entre 0 e 0,25 ponto percentual, o Banco Central dos Estados Unidos tende a se dedicar mais à flexibilização quantitativa, via compra de títulos de longo prazo do Tesouro, assim como o BC japonês. O banco nipônico afirmou hoje que aumentará as compras de títulos do governo em quase um terço, iniciativa que parece sustentar os planos do governo de mais gastos para aliviar a pior recessão do país desde a Segunda Guerra Mundial. Instantes atrás, o dólar cedia 0,04%, para R$ 2,281 na venda.

Antes do referendo do Fed, os analistas assimilam novos indicadores norte-americanos com potencial para mexer com o humor dos mercados. Foi divulgado há pouco que o Índice de Preços ao Consumidor (CPI) avançou 0,4% em fevereiro, superando levemente as projeções, enquanto que o núcleo, menos volátil, teve alta de 0,2% no período. Já o déficit em conta corrente dos EUA recuou para US$ 132,8 bilhões no quarto trimestre de 2008.

Internamente, o mercado de câmbio continua sofrendo das mesmas doenças dos últimos meses, ou seja, mercado pequeno dando muita oportunidade para os especuladores obterem ganhos nas posições futuras compradas. "Como está difícil para eles desmontarem estas posições, pois, os efeitos seriam contrários aos seus interesses, fica este joguinho do real contra o artificial, que resulta em queda lenta, porém, constante da cotação do dólar", avalia informativo Fast News da Didier Levy Corretora. Logo mais, o BC apresenta o fluxo cambial semanal. Após o superávit de US$ 841 milhões em fevereiro, março começou com a saída de US$ 676 milhões na primeira semana do mês.

(Simone e Silva Bernardino - InvestNews)