PIB do setor fica abaixo das previsões

SÃO PAULO, 10 de março de 2009 - Apesar de o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ter divulgado que o Produto Interno Bruto (PIB) da construção brasileira cresceu 8% em 2008, abaixo da projeção do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP), a entidade mantém a previsão de crescimento de 10% no ano passado em relação a 2007.

Segundo o presidente do SindusCon-SP, Sergio Watanabe, quando o PIB de 2008 for recalculado pelo IBGE no fim de 2009 ou início de 2010, o desempenho da construção deverá incorporar outros dados de pesquisas nacionais que não estão sendo considerados agora, como a Pesquisa Anual da Indústria da Construção (PAIC) e a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), bem como informações das Declaração do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (DIPJ) da Receita Federal. Além desses novos dados, o cálculo irá incorporar novos indicadores da construção, como os dos chamados serviços não-típicos (projetos, topografia, terraplenagem etc.).

"A construção então deverá registrar em 2008 um crescimento maior do que aquele apontado agora. Isto já está sendo sinalizado pelos últimos dados disponíveis: no ano passado, o emprego na construção brasileira teve aumento médio de 17,4%, e a indústria de materiais de construção registrou crescimento de 13,7%", disse Watanabe.

Em 2008, para um crescimento de 5,1% do PIB, o IBGE calculou um aumento de 8% para a construção, a maior alta de toda a indústria, que cresceu 4,3%. Segundo o IBGE, o crescimento da construção foi influenciado por obras públicas e pelo aumento, em termos nominais, de 30,4% das operações de crédito direcionadas à habitação.

Já na comparação do quarto trimestre do ano em relação ao mesmo período do ano anterior, o crescimento da construção foi de 2,1%, acima do aumento do PIB, de 1,3%.

A construção também teve uma participação relevante na Formação Bruta de Capital Fixo, que cresceu 13,8% em 2008 e representou 19% do PIB, a mais alta taxa de investimentos desde o início da série histórica do IBGE, em 2000. Em 2008, os investimentos em construção estimados pelo IBGE foram de R$ 206,8 bilhões, o que representou um aumento de 8,9% em relação a 2007.

Para este ano, o presidente do SindusCon-SP estima que o desempenho da construção será menor. Num cenário básico, o nível de investimento seria menos afetado, principalmente na construção civil. Neste caso, o PIB deveria crescer 3,8% e a construção civil 4,7%.

(VS - InvestNews)