Wall Street volta a atingir níveis mais baixos em 12 anos

Agência AFP

NOVA YORK - A Bolsa de Nova York terminou em forte queda nesta segunda-feira, em uma sessão de oscilações, encostando em seus níveis mais baixos dos últimos 12 anos, em meio ao pessimismo dos investidores: o Dow Jones caiu 1,21%, e o Nasdaq, 1,95%.

- Não é pânico, mas sim sofrimento contínuo - afirmou Gregori Volokhin, analista da Meeschaert New York. - Temos um público de investidores cada vez mais preocupado, cada vez mais descontente.

O Dow Jones Industrial Average perdeu 79,89 pontos, a 6.547,05 unidades, e o Nasdaq, de alto componente tecnológico, cedeu 25,21 pontos, a 1.268,64 unidades. Assim, os dois índices de Wall Street voltaram a atingir seus recordes negativos de fechamento, em abril de 1997 e outubro de 2002, respectivamente.

O índice ampliado Standard & Poor''s 500 caiu 1,00% (6,85 pontos), a 676,53 unidades, nível que não registrava desde setembro de 1996.

Depois de questionar que direção tomar durante a manhã, o Dow Jones, que havia perdido 6,2% na semana passada, operou no vermelho até o fim da sessão, com um volume de operações moderado.

- Mais uma vez, o mercado não conseguiu se manter, apesar de notícias construtivas - considerou Volokhin.

Os investidores receberam bem no começo do dia o anúncio de que a General Electric (+4,96%, a 7,41 dólares) e o Bank of America (+19,43%, a 3,75 dólares), duas empresas que concentraram os temores do mercado recentemente, venderão obrigações garantidas pelo Estado, podendo, assim, conseguir financiamentos, explicou o analista.

No entanto, todas as tentativas de recuperação foram esfriadas pelos "graves diagnósticos" sobre a economia mundial emitidos pelo megainvestidor americano Warren Buffett e pelo Banco Mundial, segundo Al Goldman, da Wachovia Securities.

Buffett comparou a atual cojuntura a um "Pearl Harbor econômico", enquanto o Bird considerou que a economia mundial registrará sua primeira contração desde 1945.

O mercado obrigatório recuou. O rendimento dos bônus do Tesouro a 10 anos subiu a 2,886%, contra 2,828% na sexta-feira, e o dos títulos a 30 anos, a 3,593%, contra 3,503%.