Dólar sobe com investidor de olho na crise

SÃO PAULO, 9 de março de 2009 - Os temores de aprofundamento da crise econômica mundial mantêm os investidores cautelosos e avessos ao risco. Por isso, as atenções seguem voltadas aos indicadores com potencial para clarear as incógnitas que assombram os mercados desde meados de setembro passado, com o agravamento da crise. Na China, a produção industrial referente ao mês de fevereiro servirá de termômetro para avaliar se a atividade começa mesmo a engrenar por lá, o que pode ajudar na recuperação global, já que o País é importante consumidor de commodities e espera-se que a compra de insumos para compor as reservas do país e alimentar as obras de infra-estrutura beneficie quem exporta tais produtos. Instantes atrás, o subia 0,17%, para R$ 2,384 na compra e R$ 2,387 na venda.

Internamente, a semana reserva a decisão de política monetária. É esperado pela maioria dos analistas que o Comitê de Política Monetária (Copom) reduza a taxa básica de juros em 1 ponto percentual, para 11,75% ao ano. No entanto, não esta descartada a possibilidade de um corte mais agressivo de até 1,5 ponto percentual, depois que os números da produção reforçaram o cenário de desaceleração da indústria. Antes do Copom, também é aguardado a divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro do último trimestre e o dado fechado de 2008, com expectativa de contração, o que pode exercer pressão adicional de juros menores sobre o BC.

(Simone e Silva Bernardino - InvestNews)