China verá novos casos de fusão e aquisição no setor siderúrgico em 2009

SÃO PAULO, 9 de março de 2009 - A indústria siderúrgica da China registrará mais casos de fusões e aquisições em 2009, em resposta ao aprofundamento da crise financeira internacional, informa hoje uma reportagem publicada pelo jornal China Daily.

O diário afirma que a crise global foi responsável por 17 operações deste tipo realizadas na China em 2008. Estatísticas da Associação de Ferro e Aço da China também mostram que 62% das 71 fabricantes de aço grandes e médios registraram perdas que totalizaram 29,1 bilhões de iuanes (US$ 4,26 bilhões) em dezembro de 2008.

Para o analista da Sinolink Securities, Zhou Tao, os preços do aço no mercado chinês caíram entre 20% e 35% em 2009, enquanto os ganhos do setor recuaram entre 11% e 22%. Fontes da indústria siderúrgica chinesa, consultadas pelo China Daily, asseguram que a consolidação é a melhor forma de enfrentar a crise global.

Uma das principais siderúrgicas da China, a Baosteel, anunciou no dia 1 de março sua intenção de se unir ao Grupo de Ferro e Aço de Hangzhou para absorver e reestruturar uma terceira empresa, a Corporação de Ferro e Aço de de Ningbo.

Espera-se por mais fusões e aquisições, já que muitas empresas siderúrgicas pequenas buscam uma forma de se proteger contra as companhias "poderosas" do mercado. Esta perspectiva coincide com as previsões do governo, já que o Conselho de Estado (Gabinete da China) lançou um plano de estímulos para o setor siderúrgico chinês que visa um "reajuste" das empresas locais.

O projeto governamental apoiará aos grandes grupos siderúrgicos de competitividade global que tenham uma capacidade de produção anual de 50 milhões de toneladas. As cinco maiores companhias contarão provavelmente com 45% da capacidade total do país.

Está previsto que as companhias estatais, como a Baosteel, Angang e a Companhia de Ferro e Aço de Wuhan, tomem a iniciativa na consolidação do setor siderúrgico na China.

(Redação - InvestNews)