CORREÇÃO: CHINA: Premiê detalha pacote de US$ 585 bilhões

SÃO PAULO, 5 de março de 2009 - Ao contrário do informado anteriormente, o primeiro-ministro da China, Wen Jiabao, não anunciou um novo pacote econômico, como esperava o mercado. Ele apenas detalhou hoje o plano de US$ 585 bilhões lançado em novembro. Segue abaixo nota e título corrigidos:

CHINA: Premiê detalha pacote de estímulo de US$ 585 bilhões

O primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, detalhou nesta quinta-feira o pacote de estímulo econômico de 4 trilhões de iuanes (US$ 585 bilhões) lançado em novembro passado e assegurou que a China "poderá manter o crescimento econômico em torno de 8%" em 2009.

Entre as medidas divulgadas pelo premiê, estão as estratégias para estimular o consumo interno, como o aumento de salários, o estímulo à compra de automóveis e subsídios para agricultores.

O premiê ainda afirmou que pretende estabilizar o mercado imobiliário, facilitando o acesso a moradias para os chineses de baixa renda. "Nós devemos direcionar os investimentos para áreas que podem ajudar a combater os efeitos da crise financeira global e para setores com desenvolvimento econômico e social fracos", disse.

Ao contrário das expectativas, no entanto, o governo chinês parece não estar prevendo gastos para estimular a economia, além dos já anunciados em novembro. Nenhum outro projeto de relançamento do plano de estímulo econômico foi comunicado hoje.

Wen discursou na sessão anual da Assembleia Nacional Popular (ANP), principal órgão legislativo chinês, que começou hoje em Pequim centrada em discutir medidas para o combate à crise econômica mundial. A sessão durará nove dias.

O premiê pediu que se lute perante as "árduas" tarefas em 2009 e assim se "mantenha o crescimento econômico" da China, que em 2008 foi de 9%, o mais baixo desde 2001. O primeiro-ministro reconheceu ainda que 2009 "será o ano mais difícil para o desenvolvimento econômico da China" desde o novo milênio, e que a taxa de crescimento é baseada nas "necessidades do país e suas capacidades".

"Na China, um país em desenvolvimento com uma população de 1,3 bilhão de pessoas, manter uma certa taxa de crescimento para a economia é essencial para expandir o emprego dos habitantes das cidades e do campo, aumentando assim a renda das pessoas e assegurando a estabilidade social," comentou o premiê.

O primeiro-ministro discursou para quase três mil deputados que se reúnem no Grande Palácio do Povo, cercados por um enorme aparato de segurança.

Os 2.985 membros da assembleia, que representam todas as divisões administrativas do país, se reúnem no Grande Palácio para debater nos próximos nove dias as políticas a serem seguidas pela China nos próximos 12 meses, este ano especialmente dedicadas a tentar minimizar os efeitos da crise.

"Sempre que adotemos as políticas corretas e as medidas apropriadas e as apliquemos de forma eficiente, poderemos conseguir este objetivo" afirmou o premiê.

(Redação - InvestNews)