SP: mulheres ampliam participação no mercado, mas salário cai

Portal Terra

SÃO PAULO - A taxa de participação das mulheres no mercado de trabalho da região metropolitana de São Paulo passou de 55,1% em 2007 para 56,4% no ano passado, de acordo com dados divulgados pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) em conjunto com a Fundação Seade nesta quarta-feira.

No entanto, o rendimento médio real por hora das mulheres ocupadas teve variação negativa em relação ao ano anterior de 0,9% e passou a corresponder R$ 5,76 por hora trabalhada. O valor equivale a 76,4% do valor pago aos homens (R$ 7,53), que tiveram acréscimo de 1% no rendimento durante o mesmo período.

O aumento da presença de mulheres no mercado de trabalho ocorreu em todos os grupos de idade, escolaridade, raça/cor, mas foi mais intenso entre mulheres com idade entre 50 e 59, que possuíam pelo menos o Ensino Fundamental completo e estavam casadas. Entre os homens também houve crescimento de 71,4% para 72%.

De acordo com a pesquisa, as taxas de desemprego total diminuíram pelo quinto ano consecutivo. Entre as mulheres o índice passou de 17,8% para 16,5%, e entre os homens caiu para 10,7%.

- O ano de 2008 foi caracterizado por um aumento nas ofertas de trabalho, principalmente na construção civil e na indústria, que tradicionalmente empregam mais homens e pagam melhor- explicou Patrícia Lino Costa, socióloga do Dieese.

- No caso das mulheres, a queda na renda está ligada ao trabalho em serviços e no comércio, que teve retração na massa salarial no ano passado- completou.