Brown sugere proibição de paraíso fiscal nos EUA

SÃO PAULO, 4 de março de 2009 - O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, sugeriu nesta quarta-feira, em pronunciamento no Congresso norte-americano, a proibição dos paraísos fiscais no país. A declaração acontece poucas semanas antes da cúpula do G-20, em Londres, destinada à reforma do sistema financeiro mundial.

"Vocês estão reestruturando seus bancos. Nós também. Mas os investimentos seriam muito mais seguros se o mundo inteiro se pusesse de acordo para proibir sistemas bancários paralelos e os paraísos fiscais", declarou Brown, em discurso solene ante ambas as câmaras do Congresso.

O problema dos paraísos fiscais deve figurar na ordem do dia da cúpula do G-20, no dia 2 de abril. A reunião representará a segunda viagem internacional de Barack Obama como presidente americano.

Gordon Brown também mencionou os riscos do protecionismo, durante seu pronunciamento nos Estados Unidos. "Devemos sucumbir ao protecionismo que não protege ninguém, segundo a história? Não. Devemos ter confiança e aproveitar as oportunidades oferecidas e fazer com que o futuro esteja a nosso favor", declarou Brown.

"Os Estados Unidos sabem por sua história que seu alcance vai muito além de sua geografia. Durante um século vocês carregaram sobre os ombros as maiores responsabilidades: trabalhar com e para o restante do mundo. E agora, mais que nunca, o mundo quer trabalhar com vocês", assinalou.

O primeiro-ministro britânico, o quinto de seu país a dirigir-se ao Senado e à Câmara de Representantes dos Estados Unidos conjuntamente, destacou que o presidente Barack Obama pode contar com uma "liderança europeia mais pró-americana da história".

(Redação com agências internacioais - InvestNews)