Mercado segue em compasso de espera por anúncio nos EUA

SÃO PAULO, 9 de fevereiro de 2009 - O real mantém os ganhos dos últimos quatro pregões neste início de semana, mas o clima de cautela nos mercados externos limita o movimento. Após oscilar entre a mínima de R$ 2,234 e a máxima de R$ 2,252, a divisa norte-americana encerrou a primeira etapa dos negócios em baixa de 0,62%, vendida a R$ 2,237.

O atraso na aprovação do pacote de ajuda à economia dos Estados Unidos e ao setor financeiro, adiados para esta terça-feira, pesa sobre o humor dos mercados externos. "Mas se não houver maiores atrasos, obstáculos, ou mudanças substanciais nos textos conhecidos até agora, as duas medidas, de socorro ao sistema financeiro e de estímulo fiscal, em conjunto, podem renovar a confiança dos investidores de que o ciclo de recuperação está próximo", destaca Miriam Tavares, diretora de câmbio da corretora AGK, acrescentando que as reações positivas devem ser mais intensas em um primeiro momento.

"Depois de uma análise mais criteriosa, deve prevalecer a constatação de que as medidas serão suficientes para amenizar os problemas imediatos do setor corporativo e melhorar as possibilidades de recuperação, porém, uma solução estrutural de longo prazo para a economia norte-americana e global ainda vai requerer muitos esforços", completa a diretora.

Nesta manhã, sem dados na agenda externa, as atenções se voltaram para o boletim Focus. O relatório semanal mostrou que o cenário futuro pode ser mais sombrio do que se imagina. Para o mercado financeiro a atividade industrial será magra e a inflação não se conterá dentro do centro da meta, fixada em 4,5% pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). As projeções para a taxa de câmbio ficou R$ 2,30 em dezembro.

(Simone e Silva Bernardino - InvestNews)