Dieese: educação pesa e custo de vida em São Paulo sobe 0,69%

Portal Terra

SÃO PAULO - O Índice de Custo de Vida no município de São Paulo (ICV-SP) teve alta de 0,69% em janeiro, segundo cálculos do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). O aumento nas despesas com educação e leitura, de 5,76%, foi o que teve maior impacto na inflação do mês, representando 0,44 ponto percentual no índice.

Segundo Cornélia Nogueira Porto, coordenadora da pesquisa de preços, se as despesas com educação e leitura fossem retiradas do calculo a taxa ficaria em torno de 0,25%. Ela justifica a alta dos preços ao afirmar que janeiro é o mês em que escolas e universidades realizam seus reajustes, o mesmo acontecendo com material didático.

O índice alimentação foi outro que voltou a subir no início deste ano, com variação de 0,51%. Em dezembro, a faixa foi negativa em 0,2%. Os maiores avanços foram registrados na alimentação fora do domicílio (1,4%) e na indústria da alimentação (0,48%). Em janeiro, a refeição principal apresentou aumento 1,47% e os lanches de 1,3%.

Entre os produtos da indústria alimentícia, as maiores altas foram manteiga (5,07%), refrigerante (2,61%), cerveja (2,19%), queijos (2,18%), macarrão (1,68%) e leite longa vida (1,44%). Por outro lado, caíram os preços dos óleos (-3,83%), leite em pó (-2,22%). açúcar (-1,2%) e pão francês (-0,26%).

Os produtos in natura tiveram variação de 0,15% - justificado pelas fortes chuvas em janeiro. Ficaram mais caros batata (22,58%), cenoura (15,18%), beterraba (13,9%) e cebola (7,38%). Nas hortaliças, os maiores aumentos ficaram por conta do repolho (9,81%) e alface (7,48%).

Para fevereiro o grupo transporte deve apresentar aumento por causa do reajuste do preço do metrô na capital paulista, que passou de R$ 2,40 para R$ 2,55 nesta segunda-feira.

- O peso maior do transporte em São Paulo ainda é do ônibus, por isso o aumento deve trazer algum impacto na inflação, mas não tão significativo- afirmou Cornélia.

O prefeito Gilberto Kassab prometeu durante sua campanha à reeleição em 2008 que as tarifas de ônibus não aumentarão neste ano.