Praças europeias encerram dia em queda

SÃO PAULO, 29 de janeiro de 2009 - Mais uma vez, as evidências de deteriorização econômica global afastaram os investidores de ativos de maior risco e derrubaram as principais praças acionárias europeias. Ao final dos negócios, o índice FTSE-100, da Bolsa de Londres, marcou queda de 2,45%, para 4.190 pontos. O indicador CAC-40, da Bolsa de Paris, apresentou decréscimo de 2,15%, aos 3.009 pontos. Já em Frankfurt, o índice DAX registrou desvalorização de 2,01%, para 4.428 pontos.

A divulgação de balanços corporativos trimestrais e indicadores econômicos norte-americanos foram os principais responsáveis pelo movimento. Dentre os resultados trimestrais mais relevantes esteve o da Ford. A montadora norte-americana anunciou prejuízo líquido de US$ 14,6 bilhões em 2008, o maior da história da companhia em 105 anos. Ainda assim, a Ford reafirmou que não precisará de ajuda do governo para fechar suas contas. Além dela, outras companhias também registraram prejuízo no período: Toshiba, Sony, Shell e 3M.

A este cenário somou-se a divulgação de indicadores econômicos norte-americanos negativos. Os novos pedidos de bens duráveis recuaram 2,6% em dezembro, completando o quinto mês consecutivo de queda. Além disso, os novos pedidos semanais de auxílio-desemprego voltaram a subir na semana encerrada dia 24 de janeiro, atingindo 588 mil solicitações.

Outros índices acionários europeus também registraram valorização nesta quarta-feira. Em Milão, o índice Mibtel encerrou o dia em queda de 1,01%, aos 14.361 pontos. Em Madri, o índice Ibex-35 caiu 2,58%, aos 8.477 pontos. E em Lisboa, o índice PSI20 teve avanço de 0,02%, para 6.402 pontos.

(Vanessa Correia - InvestNews)