Clinton diz que crise poderá ser superada em 15 meses

SÃO PAULO, 29 de janeiro de 2009 - Ao participar de um dos primeiros painéis de hoje no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, o ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton elogiou a equipe econômica do governo recém-empossado de Barack Obama.

Durante o debate, Clinton mostrou-se otimista e afirmou acreditar que em um prazo de cerca de 15 meses - 'se tivermos sorte e com o apoio do Congresso' - a crise financeira em seu país poderá dar sinais de que está indo embora.

'Temos uma crise global, e os Estados Unidos têm que tomar a liderança [para resolver a situação de instabilidade financeira]. As pessoas perguntam quando a crise acabará, mas ninguém sabe. Acredito que, em cerca de 15 meses, se tivermos sorte e o apoio do Congresso, podemos estar no caminho', disse.

Clinton comentou ainda o embate entre democratas e republicanas sobre as medidas necessárias para enfrentar os reflexos da crise. Segundo ele, os republicanos insistem em mais corte de impostos e em menores gastos, ainda que diversas análises econômicas demonstrem que há mais crescimento e mais emprego desde haja mais investimentos.

'Daremos um jeito. Eles [governo norte-americano] estão indo muito bem. Não acredito que o que está acontecendo seja o Estado assumindo a economia. Quando se sai da UTI [Unidade de Terapia Intensiva], se você receber boa atenção, terá boa saúde de novo. É o que acho que irá acontecer. O importante é sair da crise o mais rápido possível", afirmou.

Ao final, ele destacou que as pessoas estão "assustadas" e que há "muito medo" em relação à economia global. Para ele, este não é o melhor momento para acordos comerciais e tampouco para "escolher com quem brigar". "Precisamos sair disso juntos", concluiu Clinton.

As informações são da Agência Brasil.

(Redação - InvestNews)