Material escolar tem variação de 200%

SÃO PAULO, 21 de janeiro de 2009 - Entre as despesas que podem pressionar a inflação ao consumidor em janeiro, a lista de material escolar é disparado a principal preocupação dos especialistas. Embora comum nesta época do ano, os gastos com material devem ser avaliados pelo pais já que os preços chegam a ter diferença de 200% entre os estabelecimentos, segundo pesquisa da Fundação Procon-SP. "Normalmente, em janeiro, a inflação sofre um repique devido aos gastos com matrícula e material", disse o coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe/USP), professor Antonio Comune.

Até a segunda semana de janeiro, o IPC/Fipe acumulava inflação de 0,23%, puxado pelo grupo Educação que saltou de 1,05%, na primeira semana, para 2,58% - o maior patamar desde fevereiro de 2008.

O levantamento do Procon-SP constatou variação de preços de 100% a 233%, em 10 estabelecimentos comercias distribuídos pelas cinco regiões de São Paulo. A sondagem verificou os preços de 254, no dias 6 e 8 de janeiro, mas em função do desabastecimento, apenas 181 serão divulgados.

No entanto, os técnicos do Procon esclarecem que os preços dos produtos podem ter variações consideráveis de um estabelecimento para outro, inclusive por ocasião de descontos especiais e promoções. "Por isso, o consumidor deve fazer uma pesquisa em vários estabelecimentos, negociar descontos e prazos para pagamento".

(Vanessa Stecanella - InvestNews)

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais