Decisão do Copom e balanços são destaques

SÃO PAULO, 21 de janeiro de 2009 - Sem indicadores norte-americanos programados para hoje, as atenções estarão voltadas para a primeira reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) deste ano. Os balanços corporativos norte-americanos também centram as atenções. Há pouco, o Ibovespa com vencimento em fevereiro registrava valorização de 0,84%, aos 38.120 pontos, nas negociações futuras da BM&FBovespa.

Ontem foi mais um dia de forte pessimismo dos agentes do mercado. "A falta de notícias importantes no front econômico no exterior fez com que os holofotes se voltassem novamente à cambaleante situação dos bancos no exterior", segundo relatório da SLW Corretora. A posse de Barack Obama à presidência dos Estados Unidos não trouxe novidade, o que contribuiu para a queda dos preços dos ativos.

Para esta quarta-feira, os investidores aguardam ansiosos pela decisão do Banco Central (BC), que definirá o rumo da taxa básica de juros Selic. As apostas de corte variam entre 0,50 ponto percentual (p.p) e 1 p.p, com a maioria estimando redução de 0,75 p.p.

Já no campo corporativo, a IBM divulgou resultados trimestrais que superaram as estimativas de Wall Street mesmo diante do aprofundamento da recessão econômica. A companhia informou que seu lucro líquido foi de US$ 4,43 bilhões no último trimestre do ano, cifra 12% maior que em igual período de 2007.

Em contrapartida, o Bank of New York Mellon registrou lucro líquido de US$ 61 milhões no quarto trimestre do ano passado, o que significa um recuo de 88% ante os US$ 520 milhões registrados em igual período do ano anterior.

(Vanessa Correia - InvestNews)

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais