Contra desemprego, metalúrgicos defendem metas de produção

Portal Terra

TERRA - O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC Paulista, Sérgio Nobre, defendeu nesta quarta-feira ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva que o governo federal, os governos municipais e representantes de trabalhadores e patrões se unam para discutir medidas efetivas de combate às demissões nas fábricas. Segundo ele, umas das principais alternativas é criar metas de produção nas fábricas e trabalhar diretamente nos fatores que inibem a expansão da produção.

- Podemos estabelecer uma meta de produção e venda. Discussões como redução da jornada de trabalho ou redução de salário são paliativas. Estão gastando energia em coisas que não vão resolver. Estão olhando a árvore sem ver a floresta - comentou o dirigente sindical após encontro com o presidente, no Palácio do Planalto.

- Estamos discutindo o emergencial e mal.

Na avaliação de Nobre, apesar de o número de homologações de demissão ainda se manterem na taxa histórica de 450 por mês, atualmente as fábricas já incorporam os direitos trabalhistas nos custos de produção e, por isso, se torna "muito fácil" cortar postos de trabalho.

- O caminho é traçar um debate para ver o tamanho dessa crise que ninguém sabe ainda. Hoje está muito barato demitir no Brasil. Por que não se espera três meses antes de tomar atitudes? Mesmo em anos importantes de produção, como em 2007, havia setores com 38% de rotatividade. A multa de 40% do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) no caso das demissões já foi incorporada no custo de produção - reclama.

A poucas horas de o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central definir a nova taxa básica de juros, Sérgio Nobre disse que "o Estado também tem seu papel para a superação da crise" e opinou pela redução imediata da Selic e do spread bancário.

Nesta quinta-feira o presidente Lula deve se reunir com bancos públicos para debater a possibilidade de redução da diferença entre o que gastam para captar e o que cobram para empréstimos e que representa o lucro dessas instituições.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais