FED da Filadélfia pede estratégia para encerrar empréstimos

REUTERS

REUTERS - A recessão nos Estados Unidos poder ser uma das mais longas do período posterior à Segunda Guerra Mundial, mas o Federal Reserve precisa articular uma estratégia clara para encerrar seus programas emergenciais de empréstimos de modo a garantir a estabilidade da economia e dos mercados. A avaliação foi feita nesta quarta-feira pelo presidente do FED da Filadélfia, Charles Plosser.

Para Plosser, o crescimento em 2009 deve ficar bem abaixo de 2%, depois da retração vista em 2008.

- Dada esta previsão, a atual recessão poderia bem ser uma das mais longas do pós-guerra - disse.

O colapso do mercado imobiliário norte-americano jogou a economia do país em uma recessão a partir de dezembro de 2007 e provocou a pior crise financeira desde a Grande Depressão.

Para sustentar os mercados de crédito afetados pela crise, o FED tem mais que dobrado seu balanço para mais de US$ 2 trilhões por meio de medidas como compra de ativos.

- Nossos empréstimos agressivos, embora tenham como objetivo ajudar na recuperação da economia, impôem desafios - acrescentou.

- Nós precisamos desenvolver uma estratégia bem articulada de saída se quisermos manter o controle da política monetária e encorajar a recuperação dos mercados de crédito fortes e disciplinados.

Além desses instrumentos não-convencionais de política, o FED reduziu a taxa básica de juro para uma faixa entre zero e 0,25%.

- Sem a taxa de juro como uma âncora nominal, será importante para nós desenvolvermos medidas quantitativas relevantes para avaliar o tamanho e a composição apropriados do balanço do FED - disse Plosser.

- Precisamos garantir que nosso balanço geral seja consistente com nossa responsabilidade de promover a estabilidade dos preços. A política de crédito sozinha não é suficiente para garantir uma política monetária sólida.