Setor começa a sentir efeitos da crise

SÃO PAULO, 30 de dezembro de 2008 - O agronegócio brasileiro deve sentir os efeitos da crise financeira no início de 2009. Segundo o presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB), Cesário Ramalho da Silva, as commodities brasileiras serão afetadas. "O setor ainda não sentiu os efeitos da crise por causa do término do plantio. Porém, na colheita, os produtores sentirão a diferença de preços."

Ramalho conta que na época do plantio as commodities estavam com preços muito altos, assim como os insumos, e no período da colheita, os valores já terão recuado, como já vem acontecendo com os produtos agrícolas. "Quem for profissional fica. Quem não for (profissional), vai sair."

Em 2008, os produtores rurais brasileiros plantaram a safra mais cara da história, em um momento em que a falta de crédito é a principal preocupação dos agropecuaristas. O resultado disso será uma produção menor em 2009. Para o ex-ministro da agricultura e coordenador do Centro de Agronegócio da Fundação Getúlio Vargas, Roberto Rodrigues, a safra do próximo ano, apesar da redução, não terá problemas. Mas para 2010, se esse cenário permanecer, pode acontecer uma tragédia. "Não acho provável que isso aconteça, mas não é impossível. ´´

Rodrigues conta que o endividamento junto com uma safra menor pode gerar inflação dos alimentos em 2010. "Uma safra cara, com menos crédito e menos tecnologia pode trazer problemas." Ele diz que uma solução para evitar problemas em 2010 é a Política de Garantia de Preços Mínimos. "Transformaríamos a crise em oportunidade."

Segundo Rodrigues, essa prática seria uma garantia até para os bancos. ´Os preços mínimos estimulariam os bancos a usar as liberações do governo. ´

O gerente executivo da Associação dos Criadores de Nelore do Brasil (ACNB), André Locateli, os investimentos que deixarem de ser feitos correm o risco de não serem mais efetuados. Ele aconselha o pecuarista dimensionar as aplicações para não suprimir os investimentos em nutrição e genética, o que pode agravar a situação e serem irreversíveis. "A economia em recursos influencia a quantidade de bezerros no futuro", diz Locatelli.

Mas os efeitos da crise podem demorar a aparecer. "A pecuária vive um momento de correção, com valores atrativos, e pode levar um tempo para sentirmos os impactos desta crise."

(Sérgio Toledo - InvestNews)