Nem crise atrapalha sucesso do setor em 2008

SÃO PAULO, 30 de dezembro de 2008 - Mesmo com a crise financeira que afetou a disponibilidade de crédito para o produtor rural, 2008 fica marcado como um ano positivo para o agronegócio brasileiro. "O Brasil se tornou um dos maiores players do mundo", diz o presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB), Cesário Ramalho da Silva. "Neste ano, o País participou do principais fóruns mundiais do setor."

Ramalho destaca as produções de soja, suco de laranja, frango e etanol. "Nos grãos ainda precisamos agregar mais valor. No etanol, ainda não vencemos as barreiras tarifárias dos Estados Unidos, mas a agroenergia brasileira foi muito bem." O presidente da SRB conta também que a carne bovina teve um bom ano, apesar "dos acidentes com as vendas para a Europa."

De acordo com o gerente executivo da Associação dos Criadores de Nelore do Brasil (ACNB), André Locateli, a recuperação nos valores dos produtos animais, a melhoria de liquidez de bezerros e matrizes e a elevação do preço da arroba marcam 2008 como um ano positivo para a pecuária brasileira. Ele destaca o desempenho de animais de cria para reposição de rebanhos. "O mercado de bezerros esteve aquecido."

Segundo Locateli, mesmo com a elevação dos custos de produção, os valores finais subiram. E a expectativa é que o mercado não sofra alterações significativas. "Os preços devem permancecer estáveis." O gerente da ACNB explica que como a pecuária é uma atividade de longo prazo, os relfexos da crise financeira não serão imediatos. 'O início de 2009 será de cautela, pois a crise desestimula os investimentos."

Locatelli conta que o produtor tem que buscar soluções que facilitem a tomada de crédito para permitir a continuidade do ciclo. "O criador deve estar atento ao mercado, mas a retirada de investimentos deve ser com cautela devido ao longo prazo da atividade."

Para o presidente da SRB, Cesário Ramalho, 2009 se desenha como o ano mais difícil para o agronegócio. "É necessário fazer uma proteção de risco adequada. Só sairá de 2009 quem fizer mudança de gestão." Segundo Ramalho, o produtor deve compatibilizar os custos com sua receita e ainda viver um período com dificuldade de crédito.

(Sérgio Toledo - InvestNews)