Citigroup vende Metrô do Rio por R$ 1 bilhão

Sabrina Lorenzi, Jornal do Brasil

RIO - Em um negócio de quase R$ 1 bilhão, o metrô do Rio de Janeiro passará das mãos do americano Citigroup, proprietário do Citibank, e vários fundos de pensão para os sócios Previ e a construtora baiana OAS. Há pelo menos três meses, os atuais donos da concessão do metrô costuram acordo para a venda da empresa. Um dos principais controladores, o Citi anunciou em novembro a demissão de mais de 50 mil empregados em todo o mundo. Reunidos no fundo Valia, funcionários da Vale, outra afetada pela crise, também se desfizeram dos papéis na concessionária.

Os novos donos, que venceram recentemente concorrência para operar trechos de rodovias de São Paulo e já atuam na Linha Amarela e na Bahia, se comprometem a manter a expansão do metrô, com novas linhas e trens que custarão R$ 1,15 bilhão.

Previ majoritária

Com 83% da nova compradora do metrô carioca, a Previ será majoritária no capital da concessão mesmo depois da entrada de novos sócios na empresa a Petros (fundo de pensão da Petrobras e a Funcef, segundo fontes. A Previ explica que a Invepar (Investimentos e Participações em Infra-estrutura) vai adquirir as participações do Citigroup, do II FIP (vários fundos reunidos) e da Valia, fundo de pensão dos funcionários da Vale.

De acordo com fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Invepar, por meio da empresa criada Megapar, comprará 96,22% do capital social total e votante, detidas por CVC e IIFIP (chamadas Ações Oeste); e 14,99% do capital social total e votante, de titularidade de Valia (Ações Metrô). O primeiro montante será adquirido por R$ 841 milhões, enquanto a parte que cabe à Valia custará R$ 154,3 milhões.

O Opportunity, que já foi um dos principais controladores da concessionária, ainda possui parcela de 3,78% do capital da Oeste Participações, segundo a Previ. Os envolvidos no negócio não comentam porque a parcela não foi vendida, mas indicam que a aquisição deve ocorrer naturalmente.