Citi e fundos vendem participação no Metrô do Rio por R$1 bi

REUTERS

SÃO PAULO - O Citigroup Venture Capital International Brazil e outros fundos de investimento anunciaram nesta terça-feira a venda de suas ações no controle do metrô do Rio de Janeiro por quase 1 bilhão de reais.

De acordo com fato relevante encaminhado ao mercado, além do Citigroup Venture Capital, os fundos Vale do Rio Doce de Seguridade Social (Valia) e Investidores Institucionais Fundo de Investimento em Participações (IIFIP) também venderão suas participações na concessão metroviária do Rio.

O negócio vai ser feito entre a Megapar Participações, que faz parte do bloco de controle do Metrô do Rio e comprará as ações da Oeste Participações detidas pelo Citigroup, Valia e

IIFIP.

De acordo com o comunicado enviado ao mercado, as 61,774 milhões de ações ordinárias da CVC e do IIFIP na Oeste serão compradas pela Megapar Participações por 841,406 milhões de reais, ou 13,62 reais o papel.

Já as 15,781 milhões de ações detidas pela Valia na holding serão adquiridas por 154,319 milhões de reais, o equivalente a 9,78 reais por ação.

A Megapar informou, no comunicado, que tem interesse em adquirir também os papéis da Oeste com direito a voto que estão nas mãos de outros acionistas, entre os quais o Opportunity, e que correspondem a 3,78 por cento das ordinárias.

A Invepar, que tem a OAS e o fundo de pensão Previ como acionistas, controla, por sua vez, 100 por cento do capital da Megapar.

Segundo o comunicado, a operação "se alinha aos planos de expansão da atual base de negócios da Invepar, que busca ampliar e diversificar sua presença no setor de infra-estrutura".

Em outubro deste ano, OAS e Previ assinaram um acordo de investimentos com os fundos de pensão Petros e Funcef para garantir o crescimento da Invepar. A companhia também venceu neste ano a licitação do Corredor Raposo Tavares (rodovias SP-270, SP-225 e SP-327).

A Megapar informou ainda que não tem intenção de fechar o capital da Oeste ou do metrô pelo prazo de um ano. O negócio ainda depende da anuência do governo do Rio de Janeiro e dos órgãos reguladores da concorrência.

Além da venda deste negócio, o Citigroup também acertou neste ano a venda de sua participação no bloco de controle da Brasil Telecom, operadora adquirida pela Oi.