Fila da sopa fica mais longa em Nova York

Jornal do Brasil

NOVA YORK - A crise financeira mundial mudou a paisagem natalina de Nova York. Em meio às incertezas de um fim de ano marcado pelo aumento do desemprego, a tradicional sopa de Natal da cidade tem atraído uma fila cujo tamanho tem superado a média dos últimos anos. Uma das mais concorridas na cidade, a ceia da Igreja dos Apóstolos Sagrados, em Nova York, tem atendido diariamente cerca de 1250 pessoas, entre desempregados e sem-teto. O serviço, prestado há 26 anos no mesmo local, chega a verificar uma demanda de 1.600 pessoas nos dias de maior movimento. Ultimamente, porém, a dificuldade tem aumentado.

É um grande desafio, porque enquanto a necessidade tem aumentado e pessoas que nunca tomaram a sopa tem vindo para cá, a ajuda diminuiu, porque pessoas que sempre apoiaram os nossos trabalhos também têm passado por dificuldades financeiras disse a diretora-executiva interina do programa de alimentação da igreja, Elizabeth Maxwell.

Vendas em queda

O movimento de clientes nas lojas dos Estados Unidos caiu 24% no fim de semana passado, em relação ao mesmo período do ano passado, na maior queda já registrada desde o início do indicador. De acordo com a empresa de pesquisas ShopperTrak RCTAs, as vendas no varejo caíram 5,3% entre os dias 19 e 21 de dezembro devido à desaceleração econômica. Nem as ofertas e os grandes descontos atraíram os consumidores às lojas.

A Macy's e a Saks ofereceram abatimentos de até 70% nos preços para chamar clientes. O movimento de pessoas nas lojas caiu 6,5% na semana até 20 de dezembro, em relação a igual período de 2007, segundo a ShopperTrak. Já no sábado que antecedeu o Natal, o fluxo de consumidores recuou 17% na comparação. Além da situação econômica, a queda no movimento é atribuída ao mau tempo. A semana passada foi a que teve mais neve antes do Natal em mais de uma década.

De acordo com o International Council of Shopping Centers, entidade representativa do setor, as vendas em lojas abertas há pelo menos um ano podem cair até 2% no período compreendido pelos meses de novembro e dezembro. Se confirmada a previsão, será a pior temporada em 40 anos. Bill Martin, um dos fundadores da ShopperTrak, observa, no entanto, que uma leve alta nas vendas era esperada para esta semana, por conta dos consumidores que deixaram as compras para a última hora.