Trabalhadores da Vale querem discutir redução de jornada

REUTERS

REUTERS - Os sindicatos ligados à CUT Vale, que representa trabalhadores da Vale, informaram à companhia nesta terça-feira que estão dispostos a discutir a redução da jornada de trabalho se a empresa voltar atrás nas 1.300 demissões realizadas até o momento.

- Tendo em vista a política de corte de pessoal adotada pela empresa, propomos medidas para amenizar a angústia que no momento toma conta dos trabalhadores da Vale e suas famílias, afirmou a CUT Vale em comunicado à imprensa.

De acordo com o secretário-geral da CUT Vale, Jorge Campos, o primeiro passo dos trabalhadores será tentar o diálogo, atendendo, segundo ele, a uma proposta do próprio presidente da empresa, Roger Agnelli, que em meados de dezembro pediu flexibilização das leis trabalhistas.

- Se ele quer flexibilização poderia começar abrindo mão do bônus dele, do salário dele, ironizou Campos.

- Nós estamos propondo reduzir nossa jornada de trabalho, mas antes queremos que revejam as demissões.

Ele disse que desligamentos ainda estão sendo feitos e poderiam ser suspensos, mas o objetivo principal é cancelar todas as dispensas.

- A Vale vai ter melhor lucro este ano do que em 2007, ela não está em tanta dificuldade assim, porque o trabalhador tem que ficar com o prejuízo?, protestou.

Se a empresa não se abrir para negociações, informou Campos, o caminho será realizar um protesto maior do que o feito este mês, quando mil bonecos representando os demitidos foram deixados na porta da sede da companhia no Rio de Janeiro.

- Só que desta vez irão todas as entidades sindicais protestar na porta da empresa, afirmou.

Procurada pela Reuters, a Vale disse que não iria comentar o assunto.