Setor deve crescer 20% em 2009, prevê Anbid

SÃO PAULO, 9 de dezembro de 2008 - Diferentemente do que foi este ano, 2009 deverá ser melhor para a indústria de fundos nacional. Até novembro, o setor registrou R$ 67,5 bilhões em resgates, o que representou 5% do total de recursos de R$ 1,095 trilhão. Em relação a 2007, estes dados representam um recuo de quase 3% no montante líquido. Mesmo assim, a previsão de Alexandre Zákia, vice-presidente da Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid), é de crescimento de 20% para o setor no ano que vem. 'Nunca na história a indústria de fundos sofreu dois anos seguidos de queda. O ano de 2008 foi bastante difícil, mas acho que 2009 será de recuperação', afirma Zákia.

Segundo Zákia, a projeção de crescimento é feita com base na manutenção da alta dos juros, atualmente em 13,75% e mais os 3% de avanço projetado para a economia brasileira como um todo. "E deveremos ter alguma recuperação de bolsa e outros ativos", acredita.

O executivo também projeta numa concorrência menos forte dos Certificados de Depósito Bancário (CDBs) para o ano que vem. Este ano, as altas taxas destes ativos acabaram atraindo os investidores de fundos multimercados e renda fixa que, avessos a se arriscar, migraram seus recursos para opções mais rentáveis e com menor risco.

"Para o ano que vem, se houver um avanço econômico menor, provavelmente o crescimento de financiamentos de ativos dos bancos também vai crescer menos. É possível que os bancos não pressionem tanto a captação dos CDBs, o que deixaria os fundos em vantagem competitiva melhor", acredita Zákia. A elevação nas taxas destes certificados ocorreu porque os bancos, para garantir funding, precisam captar, seja por meio dos depósitos a vista ou a prazo, como é o caso dos CDBs.

Além disso, para Zákia, se houver uma recuperação na rentabilidade dos ativos tanto de renda fixa como de bolsa, poderá favorecer a entrada de recursos nestas carteiras.

(Priscila Dadona - InvestNews)