Setor perde encanto pelo mercado de capitais

SÃO PAULO, 3 de dezembro de 2008 - Diante do cenário de incerteza provocado pela crise financeira internacional, o mercado de capitais deixou de ser um meio interessante para captar recursos, segundo sondagem divulgada hoje pelo Sindicado da Indústria da Construção civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP). Em novembro, os entrevistados revelaram que a abertura de capital já não é mais uma forma interessante para conseguir capital de giro. O item atingiu 30 pontos, uma queda de 58,8% em relação a pesquisa realizada em agosto. Na comparação com novembro do ano passado, a patamar é 58,9% inferior. Qualquer nível abaixo de 50 pontos é considerado ruim ou pessimista.

Já a securitização de recebiveís caiu 35,9% em relação agosto e 35,1% frente a novembro do ano passado, alcançando 43,3 pontos.

A percepção quanto ao acesso ao crédito imobiliário caiu para 39,9 pontos, uma redução de 46,6% na comparação trimestral e 40,2% na relação anual. "Essa perspectiva levou os empresários a acreditarem que no ano que vem seja mais interessante apostar em empreendimento para classe. Em meio a crise, a primeira notícia foi: crédito escasso e caro, ou seja, a população de baixa renda não terá facilidade para financiar a compra", disse o diretor de Economia do Sinduscon-SP, Eduardo Zaidan.

O levantamento apontou que a expectativa de lançamento para média e baixa renda caiu 23,5% de agosto para novembro e 21,6% face igual mês de 2007, chegando a 52,7 pontos. Já a previsão de empreendimentos de alta renda aumento 45%, para 51,6 pontos.

(Vanessa Stecanella - InvestNews)