Crise mundial: Detroit pede socorro ao Congresso

Jornal do Brasil

DETROIT - A General Motors, gigante do setor automobilístico americano que tem sua alma em Detroit, calcula que a venda de veículos em toda a indústria dos Estados Unidos tenha caído 34% em novembro, na seqüência do declínio acelerado pela turbulência no mercado financeiro e de pedidos de ajuda financeira a ser aprovada pelo Congresso para evitar que gigantes do setor entrem em concordata.

Nesta terça-feira, a Ford apresentou ao Congresso dos Estados Unidos um plano detalhado para seu resgate financeiro a longo prazo, que inclui um investimento de US$ 14 bilhões em alta tecnologia nos próximos sete anos. Somente em outubro, as vendas da Ford despencaram 30%.

A empresa, uma dos três principais fabricantes de automóveis dos EUA, apresentou o plano exigido pelo Congresso antes mesmo de os parlamentares examinarem uma estratégia de resgate de US$ 25 bilhões para a indústria automotiva.

Neste contexto, sem explicitar valores, a Chrysler pede que o Congresso americano aprove com a maior brevidade possível o plano de socorro às montadoras. A montadora foi uma das mais atingidas pela retração de vendas, pelo fato de produzir modelos de enorme consumo, os primeiros a serem riscados da lista de compras em função da elevação dos preços dos combustíveis.

A partir de pressões da opinião pública, que não via com bons olhos a concessão pura e simples de ajuda financeira a grupos que até pouco tempo eram os gigantes da indústria mundial, a Casa Branca vem exigindo que as montadoras demonstrem viabilidade de seus respectivos planos de recuperação.

A Ford foi a primeira a apresentar o plano perante a Comissão de Bancos do Senado, na data em que vence o prazo para que as chamadas Três Grandes de Detroit expliquem aos legisladores sua iniciativa de reestruturação e viabilidade para o setor a longo prazo.

Queda de vendas

A General Motors registrou uma queda de 41 % nas vendas totais nos Estados Unidos em novembro e afirmou que as incertezas econômicas estão afetando a confiança do consumidor. O resultado das vendas, informado nesta terça, chega no momento em que a montadora está pronta para submeter seu plano de reestruturação ao Congresso

A GM vendeu 154.877 veículos nos EUA em novembro, em comparação com 263.654 um ano antes, e informou estar ampliando vendas em promoção, com preço de veículos mais baixos até 5 de janeiro.

A GM espera que a produção do primeiro trimestre de 2009 na América do Norte seja 32% mais baixa que um ano antes, com base em um plano de fabricar 600 mil veículos e caminhões no período.

O consumidor está assustado. Nós precisamos de estímulo econômico apropriado para trazer o consumidor de volta ao jogo declarou nesta terça o gerende de vendas da General Motors nos Estados Unidos, Mark LaNeve

A crise do setor automobilístico se dissemina pelo mundo e nesta terça a Toyota japonesa cortou bônus de executivos e a Volvo dispensou 430 trabalhadores de sua fábrica no Paraná.