Petrobras tem lucro recorde de R$ 10,85 bi no 3º trimestre

REUTERS

SÃO PAULO - Maiores preços, vendas e aumento de produção garantiram à Petrobras um lucro recorde de R$ 10,852 bilhões no terceiro trimestre, uma alta de 96% em relação ao resultado registrado há um ano, de R$ 5,528 bilhões. O resultado foi divulgado pela estatal nesta terça-feira.

O lucro antes de juros, impostos e amortizações, conhecido como Ebitda, ficou em R$ 15,680 bilhões, contra os R$ 13,075 bilhões registrados no mesmo período do ano passado.

Segundo dados divulgados nesta terça-feira tanto o lucro líquido do trimestre, quanto o do acumulado do ano foram recordes. A empresa afirmou que o resultado reflete o bom desempenho operacional, econômica e financeiro da companhia. Também contribuiu o ganho financeiro líquido de R$ 641 milhões do acumulado do ano.

- Esse resultado é consequência, principalmente, do aumento da produção, da elevação dos preços médios de realização dos derivados no mercado interno e das exportações e do ganho cambial decorrente da depreciação do real sobre os ativos líquidos expostos à variação cambial no valor de R$ 3,478 bilhões - destacou a companhia em relatório ao mercado.

- O lucro foi ajudado pelo câmbio - destacou o diretor Financeiro da Petrobras, Almir Barbassa. A Petrobras informou que, no acumulado do ano até setembro, o lucro líquido consolidado também foi recorde, subindo 61% em relação ao apurado no mesmo período de 2007, para R$ 26,56 bilhões.

Isso ocorre, segundo a empresa, "devido, principalmente, aos melhores preços médios de realização de petróleo e derivados, ao aumento da produção total que cresceu 4% no período, menor despesa com plano de pensão e efeitos cambiais".

Os dados também indicam que o aquecimento da atividade econômica no País levou a um crescimento de 8% nas vendas totais da companhia nos primeiros nove meses do ano. Já o volume de vendas dos derivados cresceu 3%, com destaque para o óleo diesel, cujas vendas aumentaram 8% no período, com destaque para a agroindústria e o funcionamento emergencial das termelétricas, movidas a óleo.

Ainda como conseqüência da demanda maior por parte das termelétricas, o consumo de gás natural cresceu de janeiro a setembro 32%. Isso foi possível, segundo a Petrobras, porque houve aumento da oferta de gás, tanto importado quanto nacional em especial no campo de Manati (BA) e nas bacias do Espírito Santo e de Campos, associado à ampliação da rede de distribuição.

Enquanto as exportações apresentaram aumento de 1% em relação aos nove primeiros meses de 2007, houve queda de 5% das vendas externas para o mesmo período desde ano, em função do menor volume de produção de derivados.

Segundo Barbassa, o aumento na importação de diesel e de petróleo leve - para fazer frente ao aumento do consumo interno provocado pelo aquecimento da economia - fez com que a Petrobras fechasse os nove primeiros meses do ano com um saldo negativo de US$ 1,8 bilhão - contra um resultado "ligeiramente positivo, no mesmo período do ano passado".

Com Agência Brasil.