Medo de recessão mantém mercados voláteis

SÃO PAULO, 12 de novembro de 2008 - Os sinais de que a economia mundial caminha para uma recessão mantêm o clima de incertezas e volatilidade dos negócios. No câmbio, o dólar oscilou entre a mínima de R$ 2,228 e a máxima de R$ 2,273, para fechar o período da manhã com alta de 1,08%, vendido a R$ 2,256.

O Banco da Inglaterra informou em seu relatório trimestral de inflação que a economia britânica entrou em recessão no segundo trimestre deste ano e se contraiu 0,50% entre julho e setembro. Ainda segundo o documento, a economia continuará em contração no primeiro semestre de 2009 e deverá começar a se recuperar no segundo semestre do próximo ano. As informações abrem espaço para um novo corte na taxa básica de juros da região, mesmo depois da redução de 1,5 ponto porcentual na semana passada, para 3%, o menor nível desde os anos 1950.

Sem nenhum indicador previsto na agenda dos EUA, as atenções se voltam para as notícias corporativas e para a atualização do pacote de socorro financeiro que será apresentada pelo secretário do Tesouro, Henry Paulson em Washington. Entre os balanços, a seguradora holandesa ING reportou prejuízo de US$ 598,8 milhões no terceiro trimestre ante lucro de US$ 2,88 bilhões em idêntico período em 2007. Já o alemão Hypo Real Estate revelou prejuízo de US$ 3,88 bilhões.

(Simone e Silva Bernardino - InvestNews)