Lobão: futuro da Cesp não está vinculado à Nossa Caixa

Portal Terra

BRASÍLIA - O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, afirmou nesta terça-feira que a provável compra do banco paulista Nossa Caixa pelo Banco do Brasil não tem relação com as negociações do governo sobre o futuro da Cesp, a Companhia Energética de São Paulo. As duas transações, Cesp e Nossa Caixa, não fazem parte, segundo avaliação do ministro, de uma espécie de bloco de ajuda ao governo de São Paulo.

A preocupação do governador José Serra, que por duas vezes se reuniu com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos últimos meses para tratar do tema, é que o prazo de concessão de duas das seis usinas hidrelétricas que compõem a Cesp expira a partir de 2015, data considerada muito próxima e capaz de afugentar eventuais compradores em um futuro leilão.

- A Cesp é uma questão do governo do Estado de São Paulo. Ela pertence ao Estado de São Paulo, e o Estado de São Paulo vai decidir livremente sobre ela. (A prorrogação das concessões) está sendo estudada porque não diz respeito apenas às empresas da Cesp, mas também de Furnas, Chesf e as linhas de transmissão e as concessões todas- comentou o ministro Lobão, que participou de debates sobre a nova matriz energética brasileira no Tribunal de Contas da União (TCU).

Em março, às vésperas de uma tentativa de leilão de privatização da Cesp, Serra já havia pedido a Lula garantias de que o governo federal iria renovar as concessões das usinas Jupiá e Ilha Solteira, as primeiras com prazo a expirar. Na ocasião o pedido não foi atendido, e o leilão da companhia, responsável pelo fornecimento de 9,6% da energia do País, fracassou.