Bovespa opera em queda na esteira do exterior

Portal Terra

SÃO PAULO - A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) intensificaou as perdas nesta terça-feira, seguindo a orientação negativa dos mercados de Wall Street. Às 13h21, o Ibovespa exibia desvalorização de 2,13%, para 35.991 pontos, após cair 3,33% minutos antes. O giro financeiro da sessão era de R$ 1,1 bilhão.

Das 66 ações que compõem o Ibovespa, 60 registravam perdas. O tom negativo era puxado pelas ações de empresas ligadas ao mercado doméstico e por bancos.

Às 13h15 (horário de Brasília), o índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, recuava 2,64%, para 8.636 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq caía 2,53%, para 1.575 pontos. O índice Standard & Poor's 500 tinha desvalorização de 2,86%, para 892 pontos.

"São as notícias corporativas americanas que estão afetando a bolsa", resumiu Carlos Alberto Ribeiro, diretor da Novação Distribuidora.

Ele citou os problemas da General Motors e do Goldman Sachs, que pode apresentar o primeiro prejuízo trimestral de sua história, além do colapso da Circuit City, segunda maior rede de varejo de produtos eletrônicos dos Estados Unidos.

Diante dos sinais de recessão mundial, o preço de commodities voltava a cair e provocava o mesmo movimento das ações da Petrobras e da Vale - carros-chefe da Bovespa.

A Petrobras, que divulga os resultados do terceiro trimestre após o fechamento do mercado, perdia 1,96%, para R$ 23,48, e Vale cedia 2,26%, a R$ 24,68.

Na contramão, as ações da Vivo subiam 4,55%, para R$ 23, depois que a companhia divulgou aumento do lucro líquido devido a controle de custos e aumento da base de assinantes com menor índice de subsídios.