Comissão Européia vê zona do euro estagnada em 2009

REUTERS

LONDRES - A zona do euro já está em uma recessão técnica e vai ficar praticamente estagnada no próximo ano, afirmou a Comissão Européia nesta segunda-feira, pedindo uma ação coordenada para impulsionar o crescimento.

- As economias da União Européia são fortemente afetadas pela crise financeira, que está agravando a correção do mercado imobiliário em diversas economias num momento em que a demanda externa está se enfraquecendo rapidamente- avaliou o braço executivo da UE na divulgação semestral de suas projeções.

- Enquanto as medidas importantes tomadas para estabilizar o mercado financeiro começam a restaurar a confiança, a situação continua precária e o risco às previsões é significativo- disse.

O crescimento econômico nos 15 países que adotam o euro irá diminuir para 0,1% no próximo ano, ante 1,2% esperado para este ano, informou a Comissão. A previsão é de crescimento de 0,9% em 2010.

- Nós precisamos de uma ação coordenada no nível da UE para dar sustentação à economia de forma similar ao que fizemos pelo setor financeiro- disse Joaquin Almunia, comissário para assuntos econômicos e monetários.

A Comissão espera que o Produto Interno Bruto (PIB) tenha declinado no terceiro trimestre na União Européia como um todo e na zona do euro. Considerando que o PIB da zona do euro já encolheu no segundo trimestre, seriam dois trimestres consecutivos de crescimento negativo - definição técnica de uma recessão.

- A perspectiva permanece desanimadora para o futuro, com muitas das economias da UE já em recessão, ou próximas de uma- acrescentou a Comissão.

A Comissão Européia prevê que as três maiores economias da zona do euro, Alemanha, França e Itália, não crescerão de forma alguma no próximo ano, enquanto as economias de Irlanda eEspanha irão se contrair.

Perspectiva melhor que nos EUA

A perspectiva ainda é bem melhor que aquela para os Estados Unidos, cuja economia deve encolher 0,5% no próximo ano. A Comissão espera que o Japão se contraia 0,4% em 2009.

A inflação da zona do euro deve desacelerar para 2,2% no próximo ano, ante 3,5% este ano, e deve recuar posteriormente para 2,1% em 2010, previu a Comissão.

O Banco Central Europeu (BCE) quer manter a inflação abaixo de 2%, mas perto desse nível.

O banco sinalizou que pode cortar a taxa de juro em novembro, à medida que os riscos de inflação diminuem. A Comissão concordou.

- O forte declínio recente nos preços de commodities, em conjunto com um marcado enfraquecimento da perspectiva de crescimento e o decorrente abrandamento da situação do mercado de trabalho, reduz o risco de efeitos secundários- informou a Comissão.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais