Após três altas, dia pode ser de ajuste técnico

SÃO PAULO, 31 de outubro de 2008 - Depois de três dias consecutivos de fortes valorizações, o mercado doméstico pode apresentar uma recuperação técnica. O movimento também depende dos indicadores norte-americanos, que serão divulgados hoje. Há pouco, o Ibovespa com vencimento em dezembro registrava desvalorização de 2,86%, aos 37.400 pontos, nas negociações futuras da BM&FBovespa.

Ontem, a divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano, mesmo sinalizando enfraquecimento da economia, veio melhor do que o esperado e ajudou na sustentação da alta em praticamente todas as bolsas de valores. "A expectativa de que novas medidas sejam anunciadas em diferentes países e que novos cortes de juros devam ser divulgados até o final do ano, ajudam na melhora da confiança dos investidores", segundo relatório da SLW.

Nesse contexto, durante a madrugada, o BOJ (Banco Central japonês) anunciou corte de 0,2%, deixando a taxa básica agora em 0,3%. A decisão mostra uma nova fase da político-econômica japonesa, mas trouxe decepção, já que a tendência era de corte de 0,25%. Depois de anunciar pacote de medidas para estimular a economia de US$ 273 bilhões e mais US$ 20 bilhões para estimular o consumo das famílias, o BOJ disse que pode adotar novas medidas para estimular suas 11 regiões. Ainda no cenário internacional, o Barclay's anunciou nova recapitalização de US$ 11,8 bilhões com países do Oriente Médio.

Dentre os indicadores norte-americanos divulgados hoje estão atividade industrial da região de Chicago, e confiança do consumidor, medido pela Universidade de Michigan, referente a outubro. Há pouco, o Departamento do Comércio divulgou que o Índice de Preços dos Gastos dos Consumidores (PCE, na sigla em inglês) recuou 0,3% em setembro ante estabilidade do mês anterior.

No front doméstico, o Banco Central (BC) divulgou circular que retira a remuneração de parte dos depósitos a prazo que os bancos são obrigados a recolher e que é conhecida como compulsório bancário. A medida vai entrar em vigor no próximo dia 14 e determina que 70% do compulsório sejam recolhidos em espécie, sem remuneração.

(Vanessa Correia - InvestNews)

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais