IGP-10 quase triplica em outubro, puxado por atacado

SÃO PAULO, 16 de outubro de 2008 - O Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) subiu 0,78% em outubro, bem acima do apurado em igual período de setembro quando houve deflação de 0,42%, informou nesta manhã a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O IGP-10 é calculado com base nos preços coletados entre os dias 11 do mês anterior e 10 do mês de referência. Ele representa uma prévia do IGP-M, índice usado para caucular o preço do aluguel. No ano, o IGP-10 acumula inflação de 9,45%; e de 11,97% em 12 meses.

Em outubro, foram os alimentos no atacado que exerceram maior contribuição para a aceleração da inflação medida pelo IGP-10. Segundo a FGV, o Índice de Preços por Atacado (IPA) aumentou de -0,75% para 0,98%, sendo que os Bens Finais registraram elevação de -0,12% para 0,10%. Vale destacar a aceleração o subgrupo alimentos processados (-0,28% para 0,91%). Já o índice relativo a Bens Finais (ex), calculado sem os subgrupos alimentos in natura e combustíveis cresceu de 0,11% para 0,41%.

No mesmo sentido, o índice do grupo Bens Intermediários saltou de 0,81% para 1,21%, puxado por quatro dos cinco subgrupos que apresentaram aceleração, com destaque para materiais e componentes para a manufatura (de 0,08% para 1,03%). O índice de Bens Intermediários (ex), obtido após a exclusão do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, registrou alta de 1,06% para 1,26%.

O índice de Matérias-Primas Brutas passou de -3,70% para 1,63% devido, principalmente, as contribuições de soja em grão (-7,75% para 2,49%), tomate (-47,37% para 12,76%) e mandioca (-5,71% para 29,46%). Em sentido oposto, citam-se: aves (2,56% para -0,45%), bovinos (-0,42% para -0,82%) e cana-de-açúcar (1,58% para 0,72%).

Em menor ritmo, mas também subindo, o componente Índice de Preços ao Consumidor (IPC) saiu de -0,03% para 0,10%, puxado por dois dos sete grupos que formam o indicador: Alimentação (-1,06% para -0,44%) e Vestuário (-0,26% para 0,85%). Em contrapartida, apresentaram decréscimos: Despesas Diversas (1,28% para 0,65%), Habitação (0,45% para 0,38%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,38% para 0,22%), Educação, Leitura e Recreação (0,31% para 0,08%) e Transportes (0,21% para 0,11%). Nestas classes de despesa, os principais destaques foram os itens: mensalidade para TV por assinatura (0,37% para -0,86%), tarifa de telefone fixo residencial (1,27% para -0,08%), artigos de higiene e cuidado pessoal (0,11% para -0,37%), salas de espetáculo (2,47% para -0,74%) e serviços de reparo em automóvel (1,14% para 0,00%), respectivamente.

Ampliando patamar altista, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) subiu de 0,94% para 1%, refletindo despesas com Materiais (1,83% para 1,90%) e Mão-de-Obra ( 0,18% para 0,23%). Contrário a esta tendência, o grupo Serviços recuou de 0,51% para 0,40%.

(VS - InvestNews)

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais