7° leilão movimenta R$ 60,5 bilhões

SÃO PAULO, 1 de outubro de 2008 - O 7º Leilão de Energia Nova (A-5), realizado nesta terça-feira pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), por delegação da Aneel, adicionou 5.566 MW de potência ao sistema e negociou 3.125 MW médios, ao preço de R$ 141,78 por MWh, totalizando R$ 60,5 bilhões.

O leilão, que durou cerca de duas horas, comercializou produtos com começo de suprimento em 1º de janeiro de 2013, com habilitação inicial de 51 empreendimentos - provenientes de fonte hidroelétrica (1), de termoelétricas (49) e de fonte eólica (1).

Do total de usinas habilitadas, 49 participaram do certame. Segundo o presidente do Conselho de Administração da CCEE, Antônio Carlos Fraga Machado, por decisão da Justiça, em razão de questões ambientais, as usinas termoelétricas MC2 Gravataí e MC2 Osório foram excluídas do leilão. Foram vendidas 23 usinas térmicas (1 de bagaço de cana-de-açúcar, 1 de carvão mineral importado, 4 de GNL e 17 de óleo combustível) e 1 usina hidroelétrica, atendendo toda a demanda, de 2.988 MW, com 4,6% de ágio.

A usina que mais vendeu energia foi a térmica Porto do Pecém II, da MPX, movida a carvão mineral, com 276 MWmed, a um preço de R$ 146 por MWh. Segundo Machado, ´o resultado do leilão é um sinal claro de confiança no Brasil por parte dos investidores, mesmo num momento de turbulência econômica internacional como o atual. Toda a demanda solicitada para o período de 2010 a 2013 foi atendida´.

O certame, que tinha início marcado para ás 10 horas, começou 1h45 depois, porque o local do evento - o prédio em que estão localizadas a CCEE e outras empresas -, foi evacuado para que o Corpo de Bombeiros fizesse uma varredura no prédio, em função de uma ameaça de bomba. Uma vez que nada foi constatado, o leilão começou às 11h45 e transcorreu normalmente.

(Redação - InvestNews)