Cautela com quadro externo mantém dólar em alta

SÃO PAULO, 3 de setembro de 2008 - O dólar seguia no maior nível desde maio, com os investidores cautelosos com o rumo do mercado internacional. No mercado, são crescentes as preocupações com o desaquecimento econômico global, que vem se mostrando pior do que o imaginado.

No velho continente, a agência Eurostat informou que o Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro se contraiu 0,2% no segundo trimestre, enquanto que a expansão da economia no conjunto de países que compõem a União Européia (UE) foi 0,1% menor.

Amanhã, os bancos centrais da Inglaterra e da zona do euro divulgarão as novas taxas básicas de juros e, embora a inflação seja crescente, a expectativa dos especialistas é que as autoridades monetárias optem pela manutenção do juro, atualmente fixado em 5% ao ano no Reino Unido e 4,2% na zona do euro.

Nos Estados Unidos, é aguardado com expectativa para esta tarde o Livro Bege do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano). O documento traz um sumário das condições econômicas recentes dos EUA, o que juntamente com os últimos indicadores apresentados e com o julgamento dos membros do Fed, embasaram os próximos passos de política monetária dos EUA. O Fed se reúne dia 16 de setembro.

Por aqui, o BC divulgou que em agosto, apesar da forte alta do dólar de mais de 4%, o fluxo cambial ficou positivo em US$ 1,944 bilhão. Mantendo a rotina, a autoridade monetária também interveio no mercado à vista e comprou dólares a uma taxa média de R$ 1,6705.

No fim da manhã, a divisa norte-americana avançou 0,54%, para R$ 1,672 na compra e R$ 1,674 na venda.

(Simone e Silva Bernardino - InvestNews)