Bolsas européias caem por bancos e seguradoras

REUTERS

LONDRES - O principal índice europeu de ações opera em queda nesta quarta-feira, à medida que uma baixa em ações do setor financeiro por receios persistentes sobre a saúde do setor pesava mais que o impacto da alta nos papéis de petrolíferas e mineradoras, que subiam junto com o preço das commodities.

Às 8h25 (horário de Brasília) o índice FTSEurofirst 300, que acompanha as principais empresas da Europa, apresentava desvalorização de 0,48%, aos 1.165 pontos.

O setor bancário era o que mais pesava no índice, com investidores seguindo pessimistas sobre o segmento, que foi o mais afetado pela crise de crédito desencadeada por um colapso nas hipotecas norte-americanas.

- É um ambiente difícil para o setor bancário, afirmou Henk Potts, estrategista de ações no Barclays Stockbrokers.

- As empresas financeiras têm sido pressionadas devido às preocupações sobre a intensidade do desaquecimento econômico e temores de que haja ainda mais desdobramento da crise de crédito.

O Natixis perdia mais de 5%, o sueco Swedbank recuava 1,8%, o banco italiano UBI Banca perdia aproximadamente 4% e o UBS AG cedia 1,9%. As seguradoras também eram pressionadas, com a Swiss Life perdendo 1,9% e a Aegon perdendo 1,3%.

A seguradora suíça Baloise perdia 7,4% depois de apresentar uma queda de 42%, pior que a esperada, no lucro líquido do primeiro semestre devido a prejuízos com investimentos e afirmou ter expectativa que os mercados financeiros continuem voláteis este ano.

Mas as empresas do setor de energia e petrolíferas tinham alta, acompanhando as valorizações nos preços do petróleo que avançavam pelo terceiro dia consecutivo, para perto de US$ 117 o barril, por temores acerca da tempestade tropical Gustav, que caminha para instalações de gás natural e petróleo no Golfo do México.

A Tullow Oil, a BP e a BG Group subiam entre 1% e 1,7%. As mineradoras também se valorizavam, graças ao aumento nos preços dos metais. A Vedanta subia 1,8% e a Anglo American avançava 1,1%.