Preços sobem 3,55% em julho em SP

SÃO PAULO, 25 de julho de 2008 - O Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR), na terceira quadrissemana de julho, registrou alta de 3,55%, segundo o Instituto de Economia Agrícola (IEA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. Os produtos de origem vegetal (IqPR-V) e os de origem animal (IqPR-A) apresentaram variação positiva de 2,71% e 5,63%, respectivamente. Isso, segundo os pesquisadores do IEA, configura a continuidade da pressão inflacionária dos preços agropecuários, principalmente os produtos de origem animal, que têm aumentado mais que os indicadores globais da inflação brasileira.

Quando a cana-de-açúcar é excluída do cálculo do índice, a variação do IqPR fica mais alta e vai para 7,29%, influenciada pelas altas dos produtos de origem animal. O IqPR-V aumenta mais e fica em 8,87%.

Os produtos do IqPR que registraram maiores altas nesta quadrissemana foram: tomate para mesa (30,37%), laranja para indústria (22,78%), milho (12,59%), soja (10,50%), carne de frango (8,71%), carne suína (6,16%) e leite tipo C (5,68%. Para o tomate de mesa, a produção foi prejudica pelo clima de baixas temperaturas e a falta de chuvas, o que reduziu a oferta. Já a laranja para indústria, a baixa oferta do produto, devido à seca na florada (segundo semestre de 2007) prejudicou a produção das variedades precoces, ocasionando o aumento da cotação.

Os produtos que apresentaram queda de preços na terceira quadrissemana de julho foram: trigo (6,37%), batata (3,59%), laranja para mesa (3,25%) e amendoim (2,63%). Para o trigo, a redução dos preços internacionais contribuiu para a queda nas cotações do mercado interno.

No período analisado, 14 produtos apresentaram alta de preços (8 de origem vegetal e 6 de origem animal) e 5 apresentaram queda (todos de origem vegetal). Comparando o índice desta semana (3,55%) com a anterior (3,81%), tem-se um decréscimo de 0,26 ponto percentual, o que indica uma leve retração no índice neste período.

(Redação - InvestNews)