Juros maiores mantém pressão de queda no dólar

SÃO PAULO, 25 de julho de 2008 - O dólar segue em trajetória de queda, ainda sob reflexo da postura mais agressiva do Banco Central (BC). No fim da manhã, a divisa norte-americana cedeu 0,44%, para R$ 1,571 na compra e R$ 1,573 na venda.

Na noite de quarta-feira, o Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu, por unânimidade, acelerar o ritmo e aumentar a taxa básica de juros em 0,75 ponto percentual, para 13% ao ano. A medida aumentou a possibilidade de rendimento das aplicações de estrangeiros em títulos brasileiros, o que reforça as perspectivas de fluxo.

Diante deste quadro, os investidores estrangeiros já reforçaram suas apostas no mercado de derivativos da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), ampliando em mais de US$ 1 bilhão as posições "vendidas", agora próximas de US$ 7,2 bilhões.

O clima por aqui seguia à reboque da melhora de humor das bolsas de Nova York. Por lá, os índices avançam impulsionados pelos números dos pedidos por bens duráveis, que subiram, inesperadamente, 0,8% em junho nos Estados Unidos. A melhora no sentimento de confiança do consumidor norte-americana também animava os negócios.

No fim do dia, o BC realiza pesquisa de demanda para auferir as condições do mercado para a possível realização, na segunda-feira, de leilão de swap cambial reverso.

(Simone e Silva Bernardino - InvestNews)