Dólar cai mais com aposta de novos fluxos

SÃO PAULO, 25 de julho de 2008 - O mercado de câmbio continuou reagindo com queda nas cotações do dólar ao aumento mais agressivo na taxa básica de juros do País. No fim do dia, a divisa dos Estados Unidos cedeu 0,32%, para R$ 1,573 na compra e R$ 1,575 na venda.

Na última quarta-feira, o Comitê de Política Monetária (Copom) adotou uma postura menos conservadora e elevou a Selic de 12,25% para 13% ao ano. A medida faz o dólar oscilar desde ontem em baixa, ancorado pelo crescimento das expectativas dos investidores locais e estrangeiros de que o aumento do diferencial de juros interno e externo poderá atrair novos fluxos favoráveis ao Brasil.

"As tesourarias de bancos e fundos de investimento locais e estrangeiros seguiram elevando suas apostas no recuo do dólar no mercado futuro da BM&F e isso pesou para o declínio dos preços à vista", disse um operador. Na BM&F, a posição vendida dos bancos cresceu em cerca de US$ 1,2 bilhão nos últimos dois dias, para algo em torno de US$ 7,2 bilhões.

Além do clima interno propício à desvalorização do dólar, o cenário externo também deu sua contribuição. Por lá, os índices acionários firmaram-se no azul, influenciados por indicadores econômicos melhores do que o esperado. Entre eles, o volume de pedidos por bens duráveis cresceu 0,8% em junho, enquanto era esperada queda e o sentimento de confiança do consumidor norte-americano voltou a melhorar em julho, após atingir o nível mais baixo dos últimos 28 anos.

Cabe destacar que hoje a tarde, o Banco Central faz pesquisa de demanda para avaliar as condições do mercado para a realização de um leilão de contratos de swap cambial reverso na segunda-feira, com o objetivo de rolar o vencimento de US$ 1,9 bilhão de 1º agosto.

(Simone e Silva Bernardino - InvestNews)