Taxa básica de juros deve permanecer inalterada

SÃO PAULO, 24 de julho de 2008 - O membro do Comitê de Política Monetária do Banco do Japão (BoJ, central), Atsushi Mizuno, afirmou que a taxa básica de juros deveria ser mantida inalterada, porque o aumento dos preços das commodities está afetando a demanda doméstica e desacelerando o crescimento da economia. "A névoa que paira sobre a economia do Japão permanecerá por um tempo", disse Mizuno.

Ele foi o único membro a votar pelo aumento da taxa básica de juros para o período entre julho e novembro de 2007, embora tenha mudado de discurso em dezembro do ano passado, afirmando que o BoJ deveria ter tempo para analisar se os lucros continuariam a ser revertidos em receita e consumo.

Hoje, o membro do comitê declarou que os dados mais recentes apontam para um enfraquecimento dos gastos dos consumidores. De acordo com Masamichi Adachi, economista do JPMorgan Chase & Co, o estado da economia do Japão e dos preços é ruim o bastante para, até mesmo, Mizuno manter-se cauteloso.

Na semana passada, a autoridade monetária cortou a projeção de crescimento econômico para o Japão e elevou a sua estimativa para a inflação. O BoJ prevê que a economia nipônica cresça 1,2% no atual ano fiscal, que encerrará em março de 2009. A cifra representa uma revisão negativa em relação à projeção publicada em abril deste ano, que previa um crescimento de 1,5%.

Quanto à inflação, o BoJ estima que o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) apresente um aumento de 1,8%, o que representa uma alta em relação a 1,1% projetado três meses atrás.

Os economistas consideram pouco provável uma alteração na taxa de juros, atualmente fixada em 0,50% ao ano, ainda em 2008, apesar das altas nos preços da energia e matérias-primas terem apresentado um impacto mais forte do que o BoJ esperava sobre a economia nipônica e a inflação.

(Redação - InvestNews)