Reunião da OMC se arrasta sem avanços suficientes para acordo

REUTERS

GENEBRA - As negociações para salvar um acordo comercial global prosseguirão nesta sexta-feira depois de os ministros terem realizado avanços mínimos, nesta quinta-feira, na tentativa de impedir a suspensão da Rodada de Doha da Organização Mundial de Comércio.

- Há algum avanço, mas nem perto do que precisamos - disse a representante de Comércio dos EUA, Susan Schwab, após reunião com outros representantes comerciais no quarto dia de negociações emergenciais em Genebra.

- Alguns países estão se esforçando mais do que outros, e veremos amanhã se todos estão preparados para fazer sua parte - afirmou.

O ministro brasileiro das Relações Exteriores, Celso Amorim, também afirmou que sexta-feira deve ser um dia decisivo para as negociações.

O ministro do comércio indiano, Kamal Nath, declarou que as negociações estão avançando 'aos poucos'. Mas o comissário de Comércio da UE, Peter Mandelson, respondeu 'Não' ao ser questionado sobre se houve progresso.

Persiste o impasse entre países ricos e pobres sobre quem deve dar o próximo passo. Originalmente, as negociações deveriam ir até sábado, mas dirigentes afirmam que ou elas fracassam antes disso devido às divergências ou elas se arrastarão pela próxima semana.

Os EUA e a União Européia já fizeram ofertas para reduzir tarifas e subsídios agrícolas, e agora pressionam os países emergentes, como Brasil, Índia e China, a apresentarem propostas mais generosas na abertura para serviços e produtos industriais.

Os países emergentes dizem que as ofertas de Washington e Bruxelas são insuficientes para que a Rodada de Doha, lançada em 2001, alcance seu objetivo de ajudar os produtores mais pobres.