Refino de petróleo foi a principal atividade em 2006

SÃO PAULO, 25 de junho de 2008 - O refino de petróleo lidera a relação das cinco principais atividades industriais do Brasil em 2006, com produção de R$ 107,14 bilhões e vendas de R$ 99,53 bilhões. Seguem-se, pela ordem, as atividades de fabricação de automóveis, caminhonetas e utilitários; extração de minério de ferro; abate de animais e preparação de produtos de carne; e produção de laminados de aço. Os dados são da Pesquisa Industrial Anual-Produto (PIA-Produto), divulgados hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

As produções e vendas das indústrias automobilísticas atingiram, naquele ano, valores de R$ 68,30 bilhões e R$ 55,74 bilhões, respectivamente. As de extração de minério alcançaram R$ 34,63 bilhões e R$ 26,16 bilhões, respectivamente. No setor de abate de animais foram gerados R$ 30,16 bilhões, em produção, e R$ 24,38 bilhões, em venda. E os valores para a confecção de lâminas de alumínio ficaram na ordem de R$ 23,04 bilhões e de R$ 23,39 bilhões.

Ainda considerando o valor de produção, a lista das dez maiores atividades industriais desenvolvidas em 2006 inclui as usinas de açúcar (R$ 20,83 bilhões), fabricação de resinas termoplásticas (R$ 19,62 bilhões), produção de medicamentos para uso humano (R$ 19,24 bilhões), fabricação de caminhões e ônibus (R$ 18,65 bilhões) e metalurgia de alumínio (R$ 18,09 bilhões).

A pesquisa abrangeu um universo de 34,5 mil empresas, com 43 mil unidades locais, ou seja, plantas industriais. O trabalho envolveu 3,5 mil produtos, cujas vendas totalizaram R$ 1,117 trilhão em 2006, ou o equivalente a 90% das vendas industriais feitas no país. O gerente da pesquisa, João Batista de Oliveira, explicou que o universo da PIA-Produto engloba empresas com pelo menos 30 pessoas ocupadas.

Segundo ele, a lista dos maiores estados em venda de produtos e/ou serviços industriais "continua sendo liderada por São Paulo. Desses R$ 1,117 trilhão, São Paulo leva 41,5% em vendas em 2006". Aparecem em seguida, Minas Gerais (10,4%), Rio Grande do Sul (8%), Paraná e Rio de Janeiro (7,3% cada), Bahia (5,2%), Amazonas (4,3%), Santa Catarina (3,9%) e Espírito Santo (2,3%). "Nós consideramos aqui as unidades da Federação que participavam com mais de 2%", esclareceu o pesquisador do IBGE.

A localização de um grande número de indústrias em São Paulo explica, em boa parte, a concentração de vendas naquele estado. "São Paulo ganha por conta de toda a situação da economia lá. Em todo o território paulista tem indústria".

O IBGE já está levantando as informações referentes à PIA-Produto 2007, acrescentou João Batista.

As informações são da Agência Brasil.

(Redação - InvestNews)