No aguardo por Copom, investidor foca quadro externo

SÃO PAULO, 4 de junho de 2008 - Enquanto aguarda pela conclusão da reunião de dois dias do Comitê de Política Monetária (Copom) sobre a taxa básica de juros, o mercado financeiro nacional mantém suas atenções linkadas com o quadro externo. Por lá, o viés é negativo na abertura dos negócios. Na esteira, o dólar comercial subia 0,37%, cotado a R$ 1,633 na compra e R$ 1,635 na venda.

Com a crise norte-americana ainda em foco, principalmente após a agência de classificação de Standard & Poor´s rebaixar a nota dos bancos de investimento Lehman Brothers, Merrill Lynch e Morgan Stanley e revisar para negativa a perspectiva da nota do Bank of America e do JP Morgan Chase, os investidores avaliam a pesquisa ADP Employment, que mede o número de postos de trabalho criado no setor privado nos Estados Unidos em maio, o índice de produtividade do trabalhador e o ISM de Serviços. O presidente do Federal Reserve (Fed, BC dos EUA) também volta a discursar. Ontem, os comentários de Bernanke, alertando para os riscos inflacionários que ameaçam o dólar, cimentaram o fato de que a Fed deverá manter as taxas de juro nos próximos meses, sendo um grande catalisador para a compra da moeda norte-americana.

Antes da decisão do Copom no início da noite, o mercado avalia mais um índice de inflação. A Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe/USP) divulgou que o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) acelerou de 0,54% para 1,23% em maio.

No mercado, a maioria das apostas apontam para elevação de 0,50 ponto percentual na Selic, no entanto, uma parcela também significativa projeta aumento de até 0,75 ponto.

(Simone e Silva Bernardino - InvestNews)