IPC-Fipe pode desacelerar em junho para 0,94%

SÃO PAULO, 4 de junho de 2008 - Depois de mais que dobrar em maio, ao passar de 0,54% (em abril) para 1,23%, a inflação medida na capital paulista pode desacelerar em junho, segundo o coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe/USP), Marcio Nakane. A previsão é que o indicador suba 0,94% neste mês. "Habitação e Alimentação, que foram os principais responsáveis pela inflação em maio, devem perder força no próximo mês", acredita o economista.

Em maio, o IPC-Fipe atingiu o maior patamar desde fevereiro de 2003 (1,61%). Nakane destaca que o índice vem apresentando elevação consecutiva há dez semanas. "O indicador mostra uma aceleração que pode diminuir, mas sem muito alivio por parte dos alimentos", avalia.

O coordenador prevê que os gastos com Habitação recuem de 0,74% em maio para 0,39% em junho, refletindo menores despesas com energia elétrica. "A Eletropaulo já informou que prevê um menor repasse do PIS/Confins ao consumidor, o que pode gerar menor impacto na taxa deste grupo", analisa.

Já a variação positiva do grupo Alimentação - maior contribuição para o IPC-Fipe - não deve ser muito diferente. "A taxa pode atingir 3% neste mês, ante 3,17% apurado em maio", revela.

Segundo Nakane, ainda devem apresentar algum alivio para o índice os preços de Transportes (de 0,31% para 0,24%), Despesas Pessoais (de 0,79% para 0,55%), Saúde (de 0,59% para 0,35%), Vestuário (de 1,55% para 0,15%) e Educação (estável em 0,04%). "A taxa do grupo Educação podem aumentar um pouco apenas em julho por conta das despesas com cursos semestrais", adianta o professor.

(Vanessa Stecanella - InvestNews)